Cuiabá | MT 29/01/2022
Vanessa Moraes
5f044110f91713d65131e5f3e0d361ad
Sábado, 27 de novembro de 2021, 10h37

As desordens na audição no retorno às aulas presenciais

As escolas enfrentaram uma série de entraves para conseguir manter as crianças e adolescentes em algum contexto de aprendizagem durante o isolamento social com aulas on-line. E os desafios continuam agora com o retorno às aulas presenciais.

Vamos falar especificamente da audição nestes escolares.

Assistir às aulas com notebooks é muito diferente do que estar presencialmente em salas de aula.

Em aulas com o uso de notebooks, não há ruído competitivo, o aluno é orientado a estar em um local, preferencialmente sozinho, silencioso, com boa claridade, o volume dos seus fones do ouvido é controlado pelo estudante ou por seu responsável, não há trabalhos em grupos e nem mesmo conversas ou brincadeiras paralelas. A lousa (a tela do notebook) é seu único estímulo neste momento. Nesta situação sua atenção e memória auditivas são dirigidas, com pouca influência do meio ambiente que o rodeia.

Na sala de aula, há vários ruídos competitivos que dificultam escutar a professora adequadamente, como o barulho do ar condicionado e/ou ventilador, conversas paralelas dos colegas, barulhos do cair de canetas das carteiras, entre outros. O aluno pode perder muita informação quando o professor fica de costas ao escrever na lousa ou ao andar pela sala explicando o conteúdo do dia. Os trabalhos em grupos acontecem e os ensaios para a apresentação de trabalhos em grupos se tornam mais comuns e a memória e a atenção necessariamente tem que ser seletiva.

Assim sendo, de volta ao ambiente de aula presencial, o aluno exercerá habilidades auditivas que não eram exigidas em aulas on-line. O aluno terá que processar a mensagem, armazenar as informações, focar seletivamente no estímulo de seu interesse enquanto ignora os estímulos competitivos, passando a ser um ouvinte consciente para processar o estímulo recebido. Há a dificuldade em “filtrar” o necessário, em “descartar” o que não é importante, pois antes, tudo “chegava limpo” aos seus ouvidos... Qualquer distúrbio de atenção, memória e /ou processamento auditivo podem desencadear baixo rendimento escolar.

O conteúdo da aprendizagem será o mesmo, porém exigirá comportamentos auditivos de quase 2 anos atrás. Esse será um dos grandes desafios da aprendizagem pós-pandemia.

E o aluno com perda auditiva? Certamente essas e mais outras habilidades auditivas estarão prejudicadas e influenciarão negativamente no rendimento escolar.

Daí a importância de se fazer exames auditivos antes do início letivo do próximo ano letivo. É o médico otorrinolaringologista quem fará o diagnóstico e estabelecerá sua conduta. Muitas vezes pode ser a presença de cera nos ouvidos ou infecções (otites) que sejam as possíveis causas das perdas auditivas. E havendo uma perda auditiva que acomete o nervo auditivo, o uso de aparelhos auditivos é indicado e deve ser iniciado o mais cedo possível.

Vamos iniciar o “novo mundo” e não deixar o nosso sentido de lado... o “sentido da audição”.

Vanessa Moraes - Audiologista - @fonovanessacmoraes

Busca



Enquete

Mesmo com a pandemia você acha que o setor de saúde pública...

Melhorou muito
Não melhorou nada
Está excelente
Não sei opinar
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114