» mais
Comentar           Imprimir
Cidade
Quarta, 20 de dezembro de 2017, 16h57

CPI do Paletó define as datas de quatro depoimentos


Os vereadores membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para investigar o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), definiram para os dias 7, 16, 21 e 23 de fevereiro as datas das primeiras quatro oitivas na investigação que apura a suposta quebra de decoro e obstrução da Justiça por parte do prefeito.

Os nomes e datas foram definidos em consenso pelo presidente da CPI, vereador Marcelo Bussiki (PSB), o relator Adevair Cabral (PSDB) e o membro Mario Nadaf (PV) e anunciada nesta quarta-feira (20), última reunião da CPI neste ano.

No dia 7 de fevereiro será a oitiva do servidor Valdecir Cardoso de Almeida, responsável por instalar a câmera usada para gravar o prefeito Emanuel Pinheiro recebendo maços de dinheiro e os colocando no paletó. O dinheiro seria suposta propina para que ele apoiasse os projetos do Executivo na época em que era deputado estadual.

No dia 16 de fevereiro será a vez do ex-chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa, Silvio César Corrêa. Em seguida, no dia 21, será ouvido o ex-secretário Allan Zanata, uma vez que ele foi o responsável por gravar um áudio junto a Silvio Corrêa, encontrado pela Polícia Federal na casa de Emanuel Pinheiro durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão da Operação Malebolge.

Por último, no dia 23, será a oitiva do ex-governador Silval Barbosa. "Em decorrência dessas decisões, serão confeccionados os requerimentos de convocação dessas pessoas e também os requerimentos de documentos pertinentes à delação do ex-governador Silval e de Silvio Correa, que estão no Supremo Tribunal Federal, relacionados ao prefeito", disse o presidente da CPI, Marcelo Bussiki.

Ainda durante a reunião, Mario Nadaf requereu ao presidente que os seis nomes dos depoentes já definidos anteriormente fossem considerados nulos. Entre eles, o do próprio prefeito Emanuel Pinheiro. O motivo seria a votação do plenário da Câmara em relação à interpretação do Regimento Interno referente às deliberações da CPI serem colegiadas ou de autonomia do presidente.

Na terça-feira (19), 15 vereadores votaram para deliberação colegiada, conforme pedido de Adevair Cabral. Apenas os vereadores Bussiki, Felipe Wellaton (PV), Diego Guimarães (PP), Abilio Junior (PSC), Gilberto Figueiredo (PSB) e Toninho de Souza (PSD) votaram contra.

"Eu queria pedir que ata da sessão de ontem fosse juntada à comissão, de que as decisões da comissão sejam colegiadas e, consequentemente, que as decisões anteriores sejam consideradas nulas. Assim, nós partimos desse ponto inicial, que é a oitiva dos quatro e dos pedidos de documentos", requereu Nadaf.

Haviam sido definidos a convocação do irmão do prefeito, Marco Polo Pinheiro, além de convidados o delegado da Polícia Federal, Wilson Rodrigues de Souza Filho e os agentes da PF, Adha de Oliveira Omote e Marcelo Pimenta Orge, o perito judicial Alexandre Perez, além do prefeito Emanuel Pinheiro.

Marcelo Bussiki deferiu parcialmente o pedido de Nadaf quanto à juntada da ata da sessão, porém, não considerou os atos anteriores nulos, uma vez que ainda analisa a legalidade da votação em plenário e suas implicações nos trabalhados da CPI.

"Que seja juntado o documento da ata da reunião. Mas, como saiu a decisão ontem, estou analisando esses documentos, a legalidade da sessão e da votação, bem como as medidas que podemos tomar. Posso dizer que as oitivas dessas pessoas estão paralisadas, mas não nulas, até que possamos retomar a análise desses nomes no ano que vem. Então, em consenso, definimos apenas essas quatro pessoas", explicou Bussiki.

Esta foi a última reunião da CPI neste ano. O trabalho será suspenso até o dia 2 de fevereiro. Com isso, o prazo de conclusão da CPI também fica suspenso. Ao todo, a CPI terá 120 dias para sua conclusão e todo o andamento ocorrerá de forma transparente, de modo que as oitivas vão acontecer no plenário da Casa de Leis.

O prazo de encerramento dos trabalhos pode ser prorrogado mediante a solicitação da comissão. Assim que elaborado um relatório final, o documento deverá ser colocado para aprovação do plenário.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você defende que a ferrovia passe por Cuiabá?

Sim, pois incrementará a economia.
Não, pois não temos produtos em volume necessários.
Indiferente
Outro problema como o VLT
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114