Artigos

Infeliz o povo que depende de uma eleição
Amadeu Roberto Garrido de Paula
Nossa democracia tem solução - e não é intervenção
Fellipe Corrêa
Restaurar o futuro
Coriolano Xavier
Saúde e fake news
Luiz Evaristo Ricci Volpato
As Redes Sociais podem acabar?
João Alves Daltro
» mais
Comentar           Imprimir
Economia
Sexta, 10 de novembro de 2017, 14h34

Petrobras apresenta proposta de Acordo Coletivo de Trabalho nesta sexta, 10/11


.

A Petrobras apresentou às entidades sindicais nesta sexta-feira (10/11) proposta com o objetivo de concluir a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho. A companhia manteve o reajuste salarial em 1,73%, repondo a inflação. A nova proposta garante também vigência de dois anos para o Acordo Coletivo de Trabalho, assegurando o reajuste de 2018 de acordo com a inflação.
A expectativa da companhia é que as negociações do ACT 2017 estejam concluídas o quanto antes, já que o atual acordo teve sua vigência prorrogada até 30/11. Caso a proposta seja aprovada e assinada até 21/11, o pagamento aos empregados do reajuste retroativo a setembro será feito em 30/11.

A Petrobras também aplicou o reajuste de 1,73% para os benefícios educacionais e manteve o Programa Jovem Universitário. Nesta proposta, a companhia mantém os adicionais de Campos Terrestres e do Estado do Amazonas, reajustando-os pelo mesmo índice econômico: 1,73%.
Em relação às horas extras, a companhia propõe a remuneração em 75% naquilo que a empresa atualmente remunera em 100%, indo além do previsto pela legislação. Na primeira proposta, a empresa havia proposto remuneração das horas extras em 50%, equiparando ao estipulado pela legislação.

Está mantida a opção de redução de jornada de trabalho com redução proporcional de remuneração, incluindo a possibilidade de os empregados que atuam no regime administrativo flexível ou fixo optarem pela redução de cinco para quatro dias trabalhados por semana. A redução opcional de jornada de 8h para 6h continuará sendo oferecida aos trabalhadores do regime administrativo com horário flexível.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você concorda com uma candidatura do vice Niuan a deputado estadual?

Não - pois se Emanuel for cassado Cuiabá ficará sem prefeito.
Sim - pois é direito dele como político.
Tanto faz, Mauro Mendes também não teve vice.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114