» mais
Comentar           Imprimir
Economia
Quinta, 08 de novembro de 2018, 16h23

Nova fase de consumo estimula expansão de cafeterias


O Brasil entrará em uma nova fase de consumo de café com a esperada recuperação do crescimento econômico, aponta um estudo realizado pela Euromonitor International. O consumo fora de casa tende a avançar, estimulando a expansão de redes de cafeterias e lojas especializadas em café.

.

Na avaliação da consultoria, o país está prestes a entrar na terceira onda de consumo do café. Nessa faze, o consumo fica mais sofisticado e as cafeterias e lojas especializadas se forçam a desenvolver novas formas de servir a bebida, para atrair clientela. Os processos automáticos de produção e preparação do café deixam de ser prioridade.

“As empresas passam a investir mais na preparação manual e em processos que exaltam as características de cada grão. A figura do barista ganha relevância e o consumidor passa a ser mais exigente com a qualidade do café consumido”, afirma Angélica Salado, analista sênior da Euromonitor International. Ela cita o Canadá, Holanda, França e Alemanha como países que já vivem essa onda.

De acordo com a analista, existem quatro ondas no mercado consumidor de café. A primeira consiste no aumento do consumo da bebida, mas sem preocupações com a origem e qualidade do grão. A segunda na qual o Brasil se encontra é marcada pela especialização e pelo aumento do consumo fora do lar. A diferenciação de cafés por origem e torrefação, o consumo do café em cápsulas em casa são algumas características dessa fase.

No terceiro estágio, o consumo fica ainda mais especializado. As cápsulas, que são destaque da segunda onda, começam a dar sinais de maturação e a concorrência aumenta bastante em todos os formatos de café. Na quarta onde, o café passa a ser adotado em novas ocasiões de consumo.

“As lojas e cafeterias continuam como uma parte fundamental do consumo, mas o café se expande para outros mercados, em novos formatos e como ingrediente”, diz Angélica. Países atualmente nesta onda incluem Estados Unidos, China, Japão, entre outros.

Na avaliação da analista, os brasileiros apresentam mais preocupações em ter experiências de compra e de consumo diferenciadas, o que estimula o desenvolvimento de produtos para consumo no lar pelas redes de cafeterias. “As redes de cafeterias começam a entrar no varejo com suas marcas próprias, oferecendo a oportunidade de tentar reproduzir, em casa, a experiência da loja. Vemos como exemplos o Suplicy, Octavio, Santo Grão, entre outros. São marcas que conseguiram ampliar o leque de opções de café tradicional em diferentes formatos e com “blends” [misturas] variados”, afirma a analista.
 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

O futuro político de Pedro Taques será:

Candidato a prefeito de Cuiabá em 2020
Voltar a operar na área de Direito
Não me interessa, problema dele.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114