» mais
Comentar           Imprimir
Economia
Terça, 07 de dezembro de 2010, 10h37

Nova indústria cuiabana produz piso drenante e gera empregos


O presidente do Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Urbano(IPDU), Silvio Aparecido Fidelis, o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Lécio Victor Monteiro da Silva Costa, e técnicos dos dois órgãos conheceram ontem à tarde (06-12) a América do Sul Indústria e Comércio de Pisos Drenantes. Como o próprio nome diz, essa empresa, instalada há menos de dois meses na capital, produz a mais moderna versão de piso para ambientes abertos, com capacidade de drenagem de água de mais de 90%.

Cuiabá é a segunda cidade do país, depois de Campinas-SP, onde a versão brasileira dessa técnica foi desenvolvida, a produzir o piso drenante. Acreditando na viabilidade econômica do produto e no mercado cuiabano, os empresários Zuzi Alves da Silva Filho, Narciso Bosaipo e Rogério Fernando Cazaroti se uniram e adquiriram a licença de produção da empresa campinense Braston Pisos ao custo de R$ 200 mil. Também investiram em maquinários e já estão gerando 20 empregos diretos, número que deve saltar para 50 nos próximos dias e chegar a 120 em fevereiro de 2011.

O piso drenante, comercializado no formato de placas pré-moldadas de diversos tamanhos, está sendo visto como uma importante contribuição para o meio ambiente, especialmente no controle de inundações nas áreas urbanas. O vice-presidente da fábrica, Rogério Cazaroti, disse que esse piso pode ser usado até na pavimentação de locais por onde trafegam veículos, inclusivos os mais pesados como as carretas.

Narciso Bosaipo e Cazaroti explicaram aos secretários municipais que as placas de piso são instalados sobre uma base de brita(grossa), pedriscos e areia. Como drena mais de 90%, sua instalação permite inclusive a criação de sistema de captação para reaproveitamento da água da chuva. Também ofereceria, como é de grande resistência, a possibilidade de transferência dos blocos para outro ambiente. Produzido em mais de 10 cores, aqui os fabricantes criaram a linha Pantanal, numa referência à maior e mais bela reserva úmida do planeta. O custo varia de R$ 49 a 189 o metro quadrado, dependendo da espessura.

O presidente do IPDU, Silvio Fidélis, e o secretário da Smades, Lécio Monteiro, destacaram que além de gerar empregos, o que é bom para a cidade e sua população, a fábrica traz um produto diferente, que pode contribuir com o meio ambiente. “É um diferencial na questão da água”, completou Lécio.


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114