» mais
Comentar           Imprimir
Pesquisa/Tecnologia
Sexta, 10 de novembro de 2017, 09h54

Unemat promove 6ª Mostra de Iniciação Científica do Pantanal


Foto: Moisés Bandeira
.

O Centro de Educação e Investigação em Ciências e Matemática (Ceicim) da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) realiza durante esta quinta-feira (09) a 6ª edição da Mostra de Iniciação Científica do Pantanal. O evento, que acontece no Centro de eventos da Secretaria Municipal de Indústria, Comércio, Meio Ambiente e Turismo de Cáceres (Sicmatur), é destinado a estudantes de educação básica que, em equipe e com a coordenação de um professor da escola, desenvolvem um projeto de iniciação científica que será apresentado ao público.

Nesta edição foram inscritos 174 trabalhos que envolveram 624 alunos e 74 professores orientadores. As equipes são compostas por dois a quatro alunos do mesmo ano de escolaridade e sob a supervisão de um professor orientador. Todos os alunos e professores inscritos que apresentarem trabalho na Mostra do Pantanal receberão certificado de participação.

“Estamos vendo que os alunos estão desenvolvendo este espírito da investigação científica na escola, voltada a estes alunos de 7 a 17 anos. Estamos bastante entusiasmados com o evento pela qualidade dos trabalhos que os alunos vêm apresentando a cada ano, melhorando as pesquisas que eles desenvolvem”, disse um dos organizadores do evento, professor Marcos Francisco Borges. “Como este ano a Mostra é na Sicmatur, fica mais próximo da população e a frequência dos visitantes aumentou bastante”, afirma Marcos.

Avaliador pela terceira vez da Mostra Científica, o coordenador do Núcleo de Formação, Pesquisa e Extensão em Agroecologia (Nater) da Unemat, professor Samuel Laudelino Silva, considera este evento importante para o desenvolvimento de toda uma cadeia dentro da área de ensino. “Este trabalhos, muito interessantes, podem se desdobrar no mundo acadêmico para, inclusive, desenvolver nas formações destes jovens”, explica Samuel. “Por exemplo, acabei de avaliar um trabalho sobre análise do índice de acidez em biocombustíveis. Sabemos que é um trabalho ainda em nível de Ensino Médio, mas isto pode avançar e se aprimorar e resultar em pesquisas acadêmicas de nível superior, porque estes alunos estão verdadeiramente motivados. Percebemos na fala deles explicando os diferentes passos que seguiram na pesquisa. A ciência tem que começar na base, e a base são as nossas crianças e jovens do ensino básico”, afirma o coordenador do Nater.

Thamiris da Silva e Viviane Lucinda da Silva são alunas do 3º ano do Ensino Médio do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) e estão participando do evento pela 4ª vez consecutiva. “Participamos juntas desde o 9º ano, pois é muito interessante o nosso desenvolvimento. Aprendemos muito, pois há o incentivo para desenvolvermos nosso conhecimento, como realizarmos a pesquisa”, explica Thamiris.

Viviane também acredita que a participação no evento ajuda a se preparar para o Ensino Superior. “Ajuda em relação a entender estrutura não só de uma pesquisa científica, mas de um artigo científico: estruturar, organizar as ideias, passar por um ciclo. No início, você tem uma ideia, depois você elabora esta ideia, vem o objetivo e, no final, vêm os testes e a conclusão. Então você aprende não só a estruturar tudo, mas também a apresentar o resultado final”, explica Viviane.

Thamiris e Viviane desenvolveram um sistema de comunicação para pessoas com distúrbio na fala ou comprometimento nos membros superiores. “É um sistema de comunicação alternativa, para ajudar a incluir estas pessoas na sociedade, ajuda-las a interagir com seu pais, professores e outras pessoas ao seu redor”, explica Thamiris. Para desenvolverem o sistema, a pesquisa envolveu visitas à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). “Perguntamos aos professores e funcionários como que funciona o dia-a-dia das pessoas nesta situação, como eles se comunicam, como se relacionam. Pegamos as ideias coletadas e tentamos ajuda-los nas ações fundamentais para o seu dia-a-dia”, explica Viviane.

Já o grupo formado por Guilherme Ferreira de Paulo, Guilherme Pavani, José Luiz Castro e Renata dos Santos Nobre apresentaram trabalho de pesquisa sobre as perspectivas de consequências sobre as relações internacionais resultante do primeiro ano de mandato do presidente estadunidense Donald Trump. Estudantes do 3º ano do Ensino Médio do IFMT, o grupo analisou as notícias publicadas por diversos veículos sobre a relação entre os Estados Unidos e outros países. “Você tem que trabalhar com algo que você goste. Dá para aprofundar em algo que você queira saber mais, queira entender, e ir fundo deste tema”, afirma Renata. Guilherme Pavini garante que a diversidade de temas a se escolher é grande. “É uma oportunidade para você entender, elaborar cientificamente e apresentar um trabalho, sobre determinados temas que te interessem”, diz Guilherme.

Categorias

Os trabalhos estão divididos em três categorias: Iniciação Científica Mirim, Divulgação Científica, Incentivo à Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico.

Na Categoria Iniciação Científica Mirim, participam alunos do Ensino Fundamental até o 5º ano, enquanto na Categoria Divulgação Científica estão inscritos os alunos do Ensino Fundamental II, ou seja, do 6º ao 9º ano.

A Categoria Incentivo à Pesquisa engloba trabalhos de alunos do Ensino Fundamental II e do Ensino Médio com o objetivo de valorizar o método de investigação científica para a explicação de fenômenos, conceitos e situações do cotidiano. Já a Categoria Desenvolvimento Tecnológico é destinada a alunos do Ensino Médio, com foco na produção e desenvolvimento de novos produtos e materiais tecnológicos.

Os três primeiros colocados em cada categoria receberão uma premiação. Também serão concedidas três bolsas de Iniciação Científica Jovem do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) no valor de R$ 100 para alunos de escolas da rede pública. A bolsa será concedida por um ano.

O evento é realizado pela Unemat, por meio do Ceicim, em parceria com o Câmpus de Cáceres do IFMT.

Mais informações estão disponíveis nos sites www.mostranopantanal.com.br ou www.unemat.br/ceicim.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você defende que a ferrovia passe por Cuiabá?

Sim, pois incrementará a economia.
Não, pois não temos produtos em volume necessários.
Indiferente
Outro problema como o VLT
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114