» mais
Comentar           Imprimir
Pesquisa/Tecnologia
Quarta, 13 de junho de 2018, 07h05

Estudos sobre mudanças climáticas e eventos extremos precisa aumentar


Com o aumento da frequência de eventos climáticos extremos, como ondas de calor e de frio, além de secas e enchentes em diferentes partes do mundo, começaram a surgir nos últimos anos estudos com o intuito de avaliar se essas ocorrências podem ser atribuídas às mudanças climáticas causadas pela ação humana ou para estimar riscos de novos eventos nas próximas décadas.

Esses tipos de estudos, que necessitam de conhecimento de metodologias de detecção e atribuição, longos registros de observações e simulações de modelos climáticos, ainda são raros em países em desenvolvimento, como os da América do Sul. Mas são necessários para possibilitar avaliar os possíveis impactos das mudanças climáticas globais em escala regional e contribuir para a geração de cenários futuros.

A avalição foi feita por Carolina Susana Vera, professora da Universidade de Buenos Aires (UBA), da Argentina, em palestra na 5ª Conferência Regional sobre Mudanças Climáticas Globais, que ocorreu nos dias 5 e 6 de junho no Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE-USP).

O evento foi realizado em homenagem aos 90 anos do professor José Goldemberg, presidente da Fapesp, e em reconhecimento de sua trajetória no debate sobre mudanças do clima, planejamento energético, sustentabilidade das florestas e negociações internacionais.

“Os estudos de detecção e atribuição das mudanças climáticas a eventos climáticos extremos individuais e de previsão de novos eventos têm aumentado em muitas partes do mundo, mas na América do Sul ainda há poucos”, comparou Vera.

“Isso não significa que não têm ocorrido eventos climáticos extremos na região. É que ainda há uma comunidade pequena de pesquisadores sul-americanos estudando esse tema”, disse a pesquisadora argentina, que é membro do grupo de trabalho 1 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas Globais (IPCC, na sigla em inglês), sobre as bases físicas das mudanças climáticas, e uma das autoras líderes do relatório especial sobre “Gerenciamento dos riscos de eventos extremos e desastres” (SREX, na sigla em inglês), publicado em 2012.

Segundo Vera, um dos poucos estudos feitos nos últimos anos na América do Sul com o intuito de avaliar a relação de um evento climático extremo com o aquecimento global foi sobre a seca no verão na região Sudeste do Brasil em 2014, que fez com que estados da região enfrentassem a maior escassez de água das últimas décadas.

Nesse evento climático extremo, contudo, os autores do estudo, publicado em 2015 na revista Climate Dynamics, constataram que as mudanças climáticas antropogênicas (causadas pelo homem) não foram o fator que mais influenciou a ocorrência da seca.

Um ano antes, em dezembro de 2013, o Sudeste do Brasil experimentou um evento climático extremo contrário à seca de 2014: chuvas intensas durante mais de 15 dias, que causaram inundações e, consequentemente, grandes impactos socioeconômicos.

Na mesma época, a Argentina enfrentou, também em dezembro de 2013, uma onda de calor extremo durante mais de 15 dias, que foi a mais longa dos últimos 75 anos e fez com que o sistema de energia da capital do país entrasse em colapso.

Ao estudar essa onda de calor na Argentina, a pesquisadora e colegas conseguiram identificar que esse evento climático extremo foi causado em parte pelo aquecimento global antropogênico. E estimaram que, com o aquecimento global, esse tipo de evento, que ocorria uma vez a cada 75 anos, passaria a acontecer uma vez a cada 15 anos.

Os resultados do estudo foram publicados em suplemento especial do Bulletin of the American Meteorological Society (BAMS). “A conclusão desse estudo foi recebida na Argentina com um pouco de ceticismo”, disse Vera.

Os pesquisadores também observaram por meio da análise da dinâmica atmosférica que as altas temperaturas experimentadas pela Argentina em dezembro de 2013 estavam associadas principalmente com uma intensificação da Zona de Convergência do Atlântico Sul – uma faixa de nebulosidade que se estende desde o sul da região amazônica até a região central do Atlântico Sul.

Essa Zona de Convergência, que é o principal sistema encarregado da ocorrência de chuvas regulares em quase toda a região Central e Sudeste do Brasil durante a estação de chuvas, foi a responsável pelo evento de chuvas extremas no Sudeste do país em dezembro de 2013, apontaram os pesquisadores.

“É preciso avaliar diferentes fatores climáticos, como temperatura e umidade, e processos como urbanização em estudos de detecção e atribuição de riscos de eventos climáticos extremos, como uma seca ou chuvas extremas”, disse Vera.

“Em geral, isso não tem sido feito nesses estudos que, geralmente, consideram apenas um fator, e os processos que causam eventos climáticos extremos interagem e são espacialmente e temporalmente dependentes”, disse.  

Agência Fapesp


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

A onda 'não eleja parentes' pode afetar Emanuelzinho Pinheiro?

Afeta pois o pai Emanuel tem várias denúncias por corrupção
Não afeta e segue separado dos problemas do pai
Tanto faz, o povo não não leva a sério o voto.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114