Artigos

Infeliz o povo que depende de uma eleição
Amadeu Roberto Garrido de Paula
Nossa democracia tem solução - e não é intervenção
Fellipe Corrêa
Restaurar o futuro
Coriolano Xavier
Saúde e fake news
Luiz Evaristo Ricci Volpato
As Redes Sociais podem acabar?
João Alves Daltro
» mais
Comentar           Imprimir
Pesquisa/Tecnologia
Quarta, 29 de janeiro de 2014, 07h19

Sociedade precisa discutir comércio de dados pessoais na web, diz ativista


"“Você tem softwares que entram no sistema operacional e, depois que você saiu do site do banco, acompanham a sua navegação”

O comércio envolvendo dados pessoais dos usuários da internet precisa ser discutido amplamente pela sociedade, na opinião do professor adjunto da Universidade Federal do ABC e ativista Sérgio Amadeu. Ele chama atenção para o fenômeno que chama de “economia da intrusão”, onde grandes empresas lucram recolhendo e vendendo informações pessoais. “Você tem uma economia de corporações que usam o rastro digital, entram na máquina das pessoas. Acompanham as pessoas na sua navegação, no seu cotidiano digital para formar esses perfis”, explicou Amadeu após participar de debate hoje (28) na Campus Party, importante evento de tecnologia que ocorre durante esta semana na capital paulista.

Segundo Amadeu, redes sociais, aplicativos para celular e até softwares de bancos recolhem informações dos usuários, mesmo quando o usuário está desconectado do serviço. “Você tem softwares que entram no sistema operacional e, depois que você saiu do site do banco, acompanham a sua navegação”, exemplifica. “Dados da nossa intimidade, da nossa vida cotidiana, que não são de interesse do Estado, da lei ou da Justiça, interessam só a nós”, detalha sobre o tipo de informação que é armazenada.

Esses dados são usados, de acordo com o professor, para a elaboração de perfis de comportamento, de consumo, psicológicos e sociais dos internautas. “Você tem uma economia de corporações que usam o rastro digital, entram na máquina das pessoas. Acompanham as pessoas na sua navegação, no seu cotidiano digital para formar esses perfis”, ressalta. As autorizações, que aparecem como termos de uso em diversas aplicações e programas, muitas vezes, concedem às empresas o uso dessas informações.

No entanto, Amadeu pontua que como não existe uma conscientização sobre esse tema, as pessoas não percebem o que estão cedendo ou autorizando. “As grandes corporações sabem que as pessoas têm o direito de proteger esses dados. Mas, ao mesmo tempo, elas sabem que esses dados são extremamente valiosos”, destaca o professor, que defende a proibição de algumas dessas práticas. “A questão é que a sociedade precisa ter consciência disso e saber opinar sobre isso. É tão importante quanto escolher um presidente”, compara.

Uma das formas dos usuários de internet protegerem seus dados pessoais é com o uso de navegadores e programas de criptografia, que codificam os dados enviados e recebidos pelo computador ou celular. “A criptografia é uma forma de proteger o seu HD [disco rígido], a sua comunicação e só deixar ler e acessar quem você quiser”, explica.
 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você concorda com uma candidatura do vice Niuan a deputado estadual?

Não - pois se Emanuel for cassado Cuiabá ficará sem prefeito.
Sim - pois é direito dele como político.
Tanto faz, Mauro Mendes também não teve vice.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114