» mais
Comentar           Imprimir
Política MT
Terça, 16 de maio de 2017, 10h14

Quatro cursos da Unemat poderão ser implantados em Cuiabá


Por Angelo Varela
.

Estudantes, professores, representantes sindicais da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e do governo estadual se reuniram nesta segunda-feira (15) para debater a implantação de um campus ou de cursos da Unemat em Cuiabá. A discussão foi realizada durante uma audiência pública requerida pelo deputado estadual licenciado e secretário das Cidades, Wilson Santos, e conduzida pelo deputado estadual e presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Allan Kardec (PT).

Opiniões divergentes sobre a abertura de cursos da Unemat em Cuiabá pautaram a audiência. Enquanto parte dos alunos, dos professores presentes e os deputados participantes são a favor da instalação na Capital, professores da instituição, representados pelo sindicato e pela associação de docentes, solicitaram que a expansão seja feita com uma política pedagógica e planejamento financeiro.

A viabilidade da abertura de cursos da Unemat em Cuiabá será levantada após solicitação do governo do estado. Por meio da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Secitec), o Executivo pediu que a instituição estude a implantação e apresente um projeto político-pedagógico para avaliação dos conselhos da universidade.

O vice-reitor da Unemat, professor Ariel Torres, afirmou que este levantamento será realizado e, caso a expansão seja aprovada, os cursos poderiam iniciar já no próximo ano. Segundo o professor, inicialmente serão implantados os cursos de Administração, Pedagogia, Engenharia de Produção e Direito e seria realizado por meio da modalidade curso fora de sede, quando são montadas turmas únicas para determinados cursos.

O deputado Allan Kardec, que presidente da Comissão de Educação, afirmou que vai contribuir com os estudos sobre a viabilidade da instalação e também propor um levantamento para saber quais cursos são mais demandados pelos estudantes. “Nos comprometemos, eu e o deputado Wilson Santos, com emendas de R$ 1 milhão cada, para custear pelo menos dois cursos. Mas sabemos que só isso não basta, temos que fazer uma provisão orçamentária para não precarizar a instituição”.

O secretário das Cidades e deputado licenciado, Wilson Santos, que requereu a audiência, defendeu a vinda da Unemat para a Capital para atender os estudantes da região de maior densidade demográfica e que mais contribui para a receita do Estado. “Sabemos que há outras demandas antigas, mas Unemat em Cuiabá é uma questão de justiça fiscal e com a população da região”, afirmou Wilson Santos.

Para o representante da Secitec, Domingos Sávio, a instalação da Unemat em Cuiabá é uma prioridade para o governo e, caso o estudo aponte a viabilidade, serão realizados convênios para custear pelo menos quatro cursos. “Assim que tiver o aval do conselho, vamos buscar as parcerias com deputados e prefeitura para garantir os recursos financeiros. Cada curso fora de sede custa R$ 1 milhão e poderemos instalar as turmas na nova Escola Técnica Estadual, no bairro Carumbé”.

Para a presidente da Associação de Docentes da Unemat, Luciene Neves, é preciso ter cuidado ao aprovar mais cursos ou ampliação da universidade para evitar o sucateamento. “Sem uma política pedagógica e orçamento, não adianta fazer emendas. Os recursos precisam ser contínuos para que seja necessário tirar de um município para custear em outro”, afirmou a professora.

O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Waldir Teis, também destacou a importância da Unemat no Estado, mas alertou sobre a necessidade de planejamento para evitar problemas para a continuidade dos trabalhos.

Unemat

Atualmente a Unemat possui estrutura em 14 municípios mato-grossenses e está presente em 24 por meio da Educação a Distância (EaD). São 22,5 mil alunos em Mato Grosso e atualmente as vagas abertas são distribuídas entre concorrência ampliada (40%), reserva de vagas (25%), educação indígena (5%) e alunos provenientes de escolas públicas (30%).

Fora isso, há cursos de mestrado em sete municípios, 11 cursos de doutorados e 47 estudantes em mobilidade em outros países.

Ensino Médio

O aluno do terceiro ano do Ensino Médio da escola estadual Raimundo Pinheiro, Nycolas Said (17), apoia a expansão da universidade para Cuiabá, mas pediu atenção para situação das escolas e para a qualidade do ensino público no Estado. “Hoje as universidades públicas são ocupadas por jovens que estudam na iniciativa privada. Se o ensino público fosse de qualidade, não teríamos condições de disputar as vagas. Na nossa escola, por exemplo, o banheiro não tem porta, falta sabonete, faltam condições básicas para aprendizado”.

O professor da escola estadual Nilo Póvoas, Valdir Montenegro, também cobrou mais atenção para as escolas e até para os campi já existentes. “Me pergunto se não seria melhor aplicar recursos nas escolas, na própria Unemat para melhorar as condições do que já existe. Não somos apenas professores, somos formadores de opinião”.

O deputado Allan Kardec afirmou que vai solicitar que a equipe técnica e os deputados membros da Comissão de Educação visitem essas escolas para identificar os problemas e assim buscar soluções, seja com requerimentos, parcerias ou emendas.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você defende que a ferrovia passe por Cuiabá?

Sim, pois incrementará a economia.
Não, pois não temos produtos em volume necessários.
Indiferente
Outro problema como o VLT
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114