» mais
Comentar           Imprimir
Mundo
Quinta, 11 de janeiro de 2018, 07h54

Refugiados sírios no Líbano estão ficando mais pobres e vulneráveis, diz ONU


Mais de metade dos refugiados sírios no Líbano está vivendo em extrema pobreza e tomando empréstimos para comprar alimentos e pagar aluguel, informaram as Nações Unidas na terça-feira (9).

A informação vem com um alerta de que mais refugiados estão dependentes da ajuda internacional em meio a um cenário de incertezas para o financiamento humanitário em 2018.

“Entrando no sétimo ano de crise, os refugiados no Líbano estão encontrando cada vez mais dificuldades para sobreviver e estão mais vulneráveis do que nunca”, disse William Spindler, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), a jornalistas em coletiva de imprensa em Genebra.

Ele falou durante evento anual sobre vulnerabilidade de refugiados sírios, realizado por ACNUR, Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Programa MUndial de Alimentos (PMA), que mostrou que 58% dos domicílios do país estão atualmente vivendo na extrema pobreza, com menos de 2,87 dólares por dia por pessoa.

“E o número de domicílios vivendo abaixo da linha da pobreza — com menos de 3,84 dólares por dia — também continuou a subir”, disse Spindler, lembrando que 76% dos lares de refugiados vivem abaixo deste nível.

Tomar dinheiro emprestado para comprar comida, cobrir os gastos com saúde e pagar o aluguel continua sendo extremamente comum, com nove em cada dez refugiados dizendo ter dívidas.

Enquanto a insegurança alimentar permanece alta, outras vulnerabilidades continuam aumentando, uma vez que a ausência de residência legal deixa muitos refugiados expostos a um crescente risco de detenção, impedindo seu acesso a trabalho, educação e saúde.

“Em geral, 74% dos refugiados sírios pesquisados com idade superior a 15 anos não têm residência legal no Líbano”, disse Spindler.

As oportunidades de auto-suficiência continuam extremamente limitadas em uma economia afetada pelo conflito sírio e por um financiamento externo insuficiente.

“Em 2017, apenas 36% do total de financiamento necessário para fornecer apoio humanitário adequado no Líbano foi recebido, até o início de dezembro”, disse Spindler, lembrando que sob o plano libanês de resposta para a crise, 2,7 bilhões de dólares são necessários para 2018.

“É mais vital do que nunca que doadores mantenham suas doações em meio ao aprofundamento da pobreza e das crescentes vulnerabilidades”, enfatizou o porta-voz.


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você concorda com uma candidatura do vice Niuan a deputado estadual?

Não - pois se Emanuel for cassado Cuiabá ficará sem prefeito.
Sim - pois é direito dele como político.
Tanto faz, Mauro Mendes também não teve vice.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114