» mais
Comentar           Imprimir
Mundo
Domingo, 08 de julho de 2018, 13h44

Agência da ONU alerta sobre situação humanitária em centro de detenção na Líbia


Mais de uma dúzia de pessoas foram mortas ou feridas por traficantes de pessoas ao tentar escapar de um centro de detenção na Líbia em maio, segundo informações da Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).

O organismo internacional descreveu o acontecimento como a “mais recente história de horror” a acontecer no país.

As vítimas estavam entre um grupo de cerca de 200 migrantes vindos da Eritreia, Etiópia e Somália. A fuga ocorreu no dia 23 de maio.

O porta-voz do ACNUR, William Spindler, afirmou a jornalistas em Genebra que os sobreviventes relataram a forma como “pessoas levaram tiros enquanto tentavam escapar, e durante tentativas de recaptura”. O episódio ocorreu em Bani Walid, cidade a cerca de 200 km de distância da capital Trípoli.

A área é uma das muitas regiões do país que estão sobre controle de grupos armados desde que o presidente Muammar Gaddafi foi deposto, em 2011.

Os sobreviventes também relataram “tortura, abuso e exploração sobre as mãos de traficantes de pessoas”, afirmou Spindler, comentando que alguns migrantes haviam sido detidos por até três anos.

De acordo com o ACNUR, os sobreviventes foram transferidos para um centro de detenção próximo a Trípoli, onde receberam utensílios de primeiros socorros e apoio psicossocial.

A agência da ONU está em processo de discussão com as autoridades da Líbia para construir um centro de recepção de migrantes e refugiados. Porém, por enquanto, a detenção é “obrigatória”, declarou Spindler.

“O problema na Líbia é que, até agora, não existem lugares para onde aqueles que se encontram nessa situação podem ser levados”, afirmou o dirigente, em referência aos detidos que não se enquadram na categoria de migrantes.

“A detenção é obrigatória para todos os indivíduos em situação não regularizada que se encontram no país, sejam estes refugiados ou migrantes em razão de questões econômicas.”

Entre os sobreviventes estão um grande número de crianças desacompanhadas. O ACNUR está trabalhando para identificar os mais vulneráveis que podem precisar de proteção internacional.

Spindler descreveu o incidente como a “mais recente história de horror vinda da Líbia”, onde migrantes estão sendo detidos por traficantes de pessoas em condições impróprias e vendidos para uma vida caracterizada, em termos práticos, como escravidão.

Ele afirmou que, além de casos extraordinários de fuga, mortes não são um “caso isolado”. Spindler concluiu com um aviso sobre os muitos refugiados e migrantes que ainda podem estar se escondendo, ou presos, nas imediações de Bani Walid.

A Líbia, rica em petróleo, atraiu nativos de países vizinhos em busca de emprego ao longo das últimas décadas. Mais recentemente, pessoas fugindo de conflitos e da perseguição no continente africano buscaram o país em procura de refúgio.

Um estudo recente do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) em associação come a Missão de Apoio da ONU na Líbia, conhecida como UNSMIL, estimou que cerca de 6,5 mil pessoas estão detidas em prisões oficiais no país.

Milhares de outros migrantes estão em instalações controladas por grupos armados, alguns afiliados ao Estado, acusou o estudo.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

O futuro político de Pedro Taques será:

Candidato a prefeito de Cuiabá em 2020
Voltar a operar na área de Direito
Não me interessa, problema dele.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114