» mais
Comentar           Imprimir
Saúde
Terça, 21 de novembro de 2017, 09h35

Ministério da Saúde vai integrar o armazenamento e a distribuição de medicamentos no SUS


O Ministério da Saúde vai contratar uma única empresa para logística, armazenamento e distribuição de medicamentos e outros produtos do SUS. A medida é inédita e acabará com 15 contratos que atualmente prestam o serviço de forma descentralizada, como de locação de imóveis, manutenção dos equipamentos e mão de obra, limpeza. Com a mudança, deve aumentar em 20% o espaço para conservar os insumos, aprimorar o controle de prazos de validade e entregas, além de reduzir custo, segundo aponta estudo feito pelo IPEA.

A licitação no novo modelo foi publicada na segunda-feira (20/11) e garante a responsabilização da empresa desde a retirada do produto, nos portos ou aeroportos, o transporte, a armazenagem até a entrega. Assim, responde pelos desvios ou pelo mal acondicionamento do medicamento. A expectativa é que o novo fornecedor, a partir de ferramentas modernas, acompanhe inclusive informação sobre data de vencimento. Assim, será possível tornar esses serviços mais eficazes e coordenar melhor os gastos, pois evita valores adicionais além do previsto em contrato.

“Com o excesso de contratos e todos descentralizados é uma tarefa complexa coordenar de forma efetiva a qualidade dos serviços. A centralização diminuirá os riscos de perdas de medicamentos e insumos na armazenagem, garantirá mais agilidade na distribuição, reduzirá o tempo para o transporte e vai melhorar a infraestrutura. Com certeza, daremos maior agilidade na entrega”, enfatiza o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

ECONOMIA – Com a mudança, todos os estoques do Ministério da Saúde estarão concentrados em São Paulo. Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a centralização no estado deve reduzir em 20% os gastos de logística. Dois dos maiores aeroportos do país, inclusive o principal para importação de medicamentos, estão em São Paulo e isso reduz custo com transporte. Além disso, 64% da demanda por medicamentos e insumos de saúde está no Sudeste e São Paulo é o estado que apresenta as melhores propostas de empresas especializas com menor custo.

Atualmente, são oito armazéns (câmaras frias, armazém de insumos e de praguicida), quatro deles no Distrito Federal e quatro no Rio de Janeiro. E cada um deles mantém outros contratos de aluguel, mão-de-obra e manutenção, por exemplo.

QUALIFICAÇÃO E EXPANSÃO DOS SERVIÇOS – Com a localização dos almoxarifados em São Paulo, o Ministério da Saúde pretende ainda aumentar em 20% o espaço total de armazenagem de medicamentos e insumos. A capacidade, que atualmente é de 16.300 unidades, passará para 19.500. Se considerarmos aqueles produtos que exigem maior cuidado e precisam ser armazenados em câmara fria, a capacidade aumentará em 27,70%.

MONITORAMENTO ONLINE – O Ministério da Saúde já anunciou a adoção em todo o país de um sistema online para gerenciamento dos estoques de medicamentos e insumos de saúde. A Base Nacional de Dados da Assistência Farmacêutica, lançada em outubro deste ano, permitirá o melhor planejamento da compra, do controle da data de validade e a realização de remanejamentos.

A experiência em quatro estados mostrou que a iniciativa pode evitar desperdícios de até 30% dos fármacos entregues. Se essa economia for replicada em todo o Brasil, a cada ano, mais R$ 1,5 bilhão poderá ser revertido em mais medicamentos para a população.

Até então, o Ministério da Saúde só recebia 20% dos dados por meio do Sistema Hórus, utilizado por 15 estados para gestão de medicamentos de alto custo. As demais unidades da federação, que representam 80% da demanda, repassavam por telefone ou planilhas. Agora, será disponibilizado o Web Service, ferramenta que permite que todas as secretarias de saúde do país que possuem sistemas próprios transmitam as informações.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você concorda com uma candidatura do vice Niuan a deputado estadual?

Não - pois se Emanuel for cassado Cuiabá ficará sem prefeito.
Sim - pois é direito dele como político.
Tanto faz, Mauro Mendes também não teve vice.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114