» mais
Comentar           Imprimir
Saúde
Segunda, 01 de outubro de 2018, 12h22

Presidente da Câmara pede atenção da sociedade contra o suicídio


“Setembro Amarelo é uma espécie de semáforo da vida, aviso claro de perigo à frente, constante. Devemos vigiar sempre, a fim de evitar sinistros diversos. O suicídio tem liderado números alarmantes em todos os períodos do ano. Convém que setembro seja lembrado por isso em todos os meses...”

Ao se referir hoje (28/09) à importância do trabalho preventivo para evitar suicídios, realizado por instituições diversas do País, a exemplo do Centro de Valorização da Vida, com enfoque maior em setembro (Setembro Amarelo), o presidente da Câmara Municipal, vereador Justino Malheiros, enfatizou que, “infelizmente, as estatísticas continuam aterradoras, em termos de perda de vidas humanas”.

Malheiros enfatizou assim a necessidade de intensificar campanhas similares para evitar o recrudescimento de registros semelhantes, capazes de desestabilizar toda a família. “Perde-se um ente querido, mas as chagas disso permanecem vívidas nos seus familiares. Para sempre. É outra comprovação estatística”.

Segundo Malheiros, suicídios ocorrem em todas as faixas etárias, mas principalmente entre jovens e crianças. “Agora em setembro, mês prestes a terminar, tivemos suicídios, sim. Mas não é situação que ocorre apenas nesse período, mas em todos os meses do ano. A escolha de setembro para intensificar campanha pela preservação da vida, por instituições determinadas a banir o suicídio do cotidiano humano, é uma bandeira de caráter obrigatório da sociedade. Inclusive, merecedora de apoio geral da sociedade, independente de credo ou conceitos”.

O dirigente parlamentar citou que a opção pelo suicídio ocorre principalmente quando Deus se ausenta da vida das pessoas, e as motivações disso assumem facetas múltiplas, por vezes sem a mínima coerência plausível. “Nós, humanos, somos frágeis, e a decisão de dar fim à própria vida geralmente é sinalizada como uma saída para conflitos diários. Muitos decidem partir por ter perdido um amor, emprego, ou simplesmente por estarem entediados, sem objetivos práticos na vida. Presumem que adiantar o fim do ciclo terrestre significa bálsamo à angústia que tolda suas visões racionais. Mas nada disso justifica o suicídio: é uma tecla permanentemente dedilhada pela resistência a tão drástica ocorrência”.

Justino Malheiros reafirmou a disponibilidade do Legislativo em contribuir com os trabalhos direcionados à prevenção do suicídio. “É dever de todos os colegas vereadores, da classe política em geral. Unificando essa corrente do bem, talvez consigamos minimizar as estatísticas de ocorrência de suicídio, realmente em alta no Brasil. É um tema reflexivo, e envolve familiares, colegas, acompanhamento médico, psicológico. O importante é fechar todos os ciclos capazes de induzir alguém ao suicídio. A palavra amiga - já está comprovado - é uma das ferramentas de forte impacto solidário nesse aspecto. É justamente isso que o Centro de Valorização da Vida realiza diuturnamente, emprestando apoio emocional e de prevenção ao suicídio”. (www.cvv. org.br).

Justino explicou também que não é fundamental que as pessoas estejam ligadas de forma institucional a qualquer grupo para poder auxiliar seus semelhantes fragilizados emocionalmente. “O trabalho voluntário pode ser individual, sem problemas. O Setembro Amarelo, reconhecido mundialmente como o mês de prevenção ao suicídio, tem se destacado muito pela dedicação de pessoas anônimas, algumas com experiências traumáticas de suicídios em seus círculos familiares. Enfim, cabe aqui uma conscientização de que todos nós devemos colaborar, a fim de formatar, em grande escala, um invencível escudo protetor da vida”.


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

O futuro político de Pedro Taques será:

Candidato a prefeito de Cuiabá em 2020
Voltar a operar na área de Direito
Não me interessa, problema dele.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114