» mais
Comentar           Imprimir
Saúde
Quarta, 16 de janeiro de 2019, 20h53

CRM pede pagamento de médicos terceirizados de empresas da Operação Sangria


 

Centenas de médicos que cuja função nas empresas investigadas é apenas de prestador de serviço estão sendo prejudicados pela falta de pagamento e pela incerteza da continuidade dos serviços.

Em ofícios encaminhados aos secretários estadual e municipal de Saúde o Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM-MT) externa sua preocupação com os atendimentos médicos nas unidades de saúde cujos serviços eram/estão terceirizados para as empresas alvos da operação "Sangria", que apura irregularidade em licitações e contratos firmados pelo município de Cuiabá e o Governo Estadual.
 

.

 

"O CRM-MT, instituição que zela pela ética no exercício da profissão, repudia qualquer tipo de conchave que tenha por finalidade desviar os já tão parcos recursos da saúde", declarou, em ofício, a presidente da autarquia, Dra. Hildenete Monteiro Fortes.

 

Centenas de médicos que cuja função nas empresas investigadas é apenas de prestador de serviço estão sendo prejudicados pela falta de pagamento e pela incerteza da continuidade dos serviços. Os profissionais relatam que estão com atraso salarial de até seis meses. "Não se ignora a situação financeira do Estado, mas pedimos atenção especial para a situação dos profissionais médicos prejudicados pelos reflexos da operação", diz trecho do ofício.

 

Os atendimentos foram prejudicados nas principais unidades de saúde do Estado como o Hospital São Benedito, Hospital Metropolitano e SAMU.

 

No documento, o CRM–MT solicita a prioridade da Secretaria de Estado de Saúde, nos primeiros dias de gestão, para a regularização dos pagamentos dos médicos, evitando o risco iminente de paralisação geral do atendimento médico em estabelecimentos que são essenciais na organização da saúde a nível estadual.

Confira o ofíco aqui 

Diante da operação Sangria, realizada pela Delegacia de Crimes Fazendários (Defaz), que envolveu os médicos Huark Douglas Correia da Costa (ex-secretário de Saúde de Cuiabá), Fábio Liberali Weissheimer, clínico-geral, Jorge Araújo Lafetá (secretário de Saúde na gestão do ex-governador Silval Barbosa) e ainda Luciano Corrêa e Marcus Antônio Godoy, o Conselho Regional de Medicina havia instaurado uma sindicância administrativa contra os mesmos. 

O órgão promete rigor na apuração das condutas dos profissionais que tenham infringido as normas do Código de Ética Médica.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Sobre taxação do agronegócio em MT, o que você sugere?

Não deve ser taxado e fica como está.
Muda o discurso e industrialize
Apenas fogo de palha. Logo se acertam.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114