» mais
Comentar           Imprimir
Saúde
Sexta, 08 de março de 2019, 05h35

HG faz cirurgia inédita em Cuiabá para tratar de tumor ósseo em jovem


A equipe de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá (HG) realizou mais um procedimento inédito em Mato Grosso.

 

Trata-se de um método seguro e eficaz, conhecido como ablação por radiofrequência é um procedimento com baixo risco de complicações que veio para inovar o tratamento do osteoma osteoide, tumor ósseo benigno que acomete principalmente adolescentes e adultos jovens, sobretudo do sexo masculino.

 

O procedimento foi realizado em um jovem de 17 anos, que tinha um tumor no fêmur diafisário esquerdo. O procedimento durou 20 minutos.

 

O médico responsável pelo procedimento, Dr. Nauro Monteiro explica que o procedimento é guiado por escopia (Raios-X), onde é introduzida uma agulha que permite perfurar o osso até a lesão. Depois, outra agulha com a ponta ativa é inserida neste trajeto até a lesão. Um circuito elétrico aquece gradativamente o equipamento até que ele chegue à temperatura de 90°C por um tempo de 6 minutos, a lesão térmica do tumor torna-se irreversível, levando a uma completa necrose tumoral.

 

O especialista explica que o tumor se localizava no fêmur do paciente e o resultado do procedimento foi tão satisfatório que logo no primeiro dia ele já estava sem dor. "A característica típica dele é dor de maior intensidade à noite, como sentia o paciente que se submeteu ao procedimento e que teve alívio horas após a realização da ablação", complementa Nauro.

 

Há outros métodos de ablação, como por microondas, crioablação (frio) e química, utilizados para tratar outros tipos de tumores que surgem em outros órgãos do corpo. "O tumor estava instalado no fêmur, osso frequentemente acometido pelo problema, mas conseguimos tratá-lo e estamos acompanhando a evolução do paciente, que tem sido muito boa", informa.

 

Vantagens

A recuperação de forma mais rápida do paciente e complicações menores algumas das vantagens da ablação, segundo o médico. "Em uma cirurgia convencional, que é um procedimento mais complexo, teríamos uma ferida operatória maior, internação por mais tempo e maior período de recuperação".

 

O especialista acrescenta que além de tumores benignos, a ablação pode ser utilizada para tratar tumores malignos em órgãos como rins, fígado e pulmões, mas salienta que nem todo paciente pode ser submetido a um procedimento de ablação.


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114