» mais
Comentar           Imprimir
Agro
Quinta, 06 de dezembro de 2018, 08h31

Semiárido nordestino será prioridade da Rede ILPF em 2019


Abrir as possibilidades para mudar a realidade do produtor do Semiárido nordestino, por meio da adoção dos sistemas de Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF), e transformar a região em prioridade estratégica de desenvolvimento agropecuário, tendo como primeiro passo a realização de um grande seminário com a participação de agricultores, extensionistas, autoridades e representantes dos governos estaduais e federal. Esta foi uma das principais propostas apresentadas na reunião da assembleia da Rede ILPF realizada nesta terça-feira, 4 de dezembro, na presidência da Embrapa, em Brasília, DF, e que reforçou a preocupação e o compromisso da Empresa, com o setor produtivo, e em especial com a inclusão, com a garantia de geração de emprego e renda, por meio da disseminação do conhecimento.

“Este será o primeiro passo, o ponto de partida para que a Rede ILPF, da qual a Embrapa faz parte, contribua com uma mudança efetiva no Semiárido”, comentou o presidente da Embrapa, Sebastião Barbosa, destacando a importância de se trabalhar em torno de uma agenda voltada às necessidades da região, tendo como uma das ferramentas de transformação e combate à miséria a disseminação da tecnologia da ILPF. “Existe uma preocupação por parte do Ministério da Agricultura e temos recebido recomendações tanto do atual ministro Blairo Maggi, quando da ministra indicada Tereza Cristina, para que a ciência contribua com planos de desenvolvimento e inovação tecnológica voltados especificamente para o Nordeste”, concluiu. Na reunião, o presidente da Embrapa foi nomeado membro da Assembleia da Rede ILPF e a empresa Ceptis, de origem suíça, assinou o termo de posse como nova associada.

Segundo o presidente do Conselho Gestor da Rede ILPF e pesquisador da Embrapa, Renato Rodrigues, a proposta de realizar o primeiro seminário sobre Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta é um dos desafios para 2019, que, certamente já conta com o apoio das instituições que fazem parte da rede. “A Embrapa tem muito a contribuir com essa iniciativa. São nove Unidades Descentralizadas na região que já desenvolvem experiências fantásticas a partir do uso dessa tecnologia”, destacou, lembrando que, atualmente, das 42 UDs da Empresa em todo o País, 33 estão envolvidas no desenvolvimento de projetos e colaboram com a Rede ILPF.

Renato falou ainda sobre o potencial e o reconhecimento que tem sido conquistado pela tecnologia não só no Brasil, como no cenário internacional. “Estamos em fase de negociação com instituições estrangeiras, como a Universidade Politécnica de Madri (Espanha), para criação de uma cátedra em agricultura de baixo carbono, que certamente será um modelo que vai abrir as portas para a Europa”, disse. Também estão sendo analisadas propostas de parceria e busca de financiamento com a Agência Francesa de Desenvolvimento, com o governo alemão, com o ministério da agricultura inglês, além do Banco Mundial. “Nesta negociação, estão envolvidos o Ministérios da Fazenda, do Meio Ambiente e da Agricultura que, juntos trabalham na submissão de um projeto brasileiro no Fundo Verde para o Clima, no âmbito da comissão de mudanças do clima”, explicou, destacando que, apesar da competitividade entre os projetos de outros países, já se pode considerar a iniciativa uma vitória. “É a primeira vez que o Brasil submete um projeto a esse fundo, de forma consensual entre todos os órgãos de governo envolvidos, e que pode resultar em empréstimos a fundo perdido para investimento em estratégicas de ILPF”, concluiu.

Iniciativa do bem
Para o presidente da John Deere, Paulo Hermann, o sucesso da união das empresas - que chamou de "iniciativa do bem" - em torno do desenvolvimento da tecnologia ILPF, há seis anos, tem resultado na mudança do panorama agropecuário nacional, que, em 2016, já registrou a marca de 11,5 milhões de hectares integrados, em diferentes maneiras de integração, feita de acordo com a região, e que hoje, segundo estimativas, deve ter atingido a marca de 15 milhões de hectares. “É uma tecnologia fantástica, porque combina culturas sequenciais e simultâneas, e do ponto de vista comercial, gera mais receitas ao longo do ano, sem contar as vantagens do ponto de vista ambiental”, completou.

Para a segunda etapa do projeto da Rede ILPF, chamou a atenção para a adoção de estratégias que possibilitem a monetização do sistema, a certificação de propriedades que usem o sistema produtivo, a formação de profissionais com atualização de conhecimento. “Existe uma complexidade para gerir o sistemas integrados e por isso, é preciso investir em ações voltadas a isso”, disse.

Estiveram presentes à assembleia o chefe de gabinete da presidência da Embrapa, Raimundo Braga, representantes do Bradesco, Syngenta, Sementes Oeste Paulista (Soesp), Cocamar Cooperativa Agroindustrial e Ceptis.

Rede ILPF
A Associação Rede ILPF é uma parceria público-privada formada pela Embrapa e instituições parceiras, iniciada em 2012, para apoiar uma rede com 107 Unidades de Referencia Tecnológica distribuídas em todos os biomas brasileiros e que envolve a participação de 33 Unidades de Pesquisa da Embrapa. Em 2018 a Rede ILPF se transformou em uma associação. A nova estrutura jurídica visa ampliar a atuação do grupo e facilitar a entrada de novas empresas interessadas no projeto. Nesta nova fase, a Rede ILPF continuará o trabalho de transferência de tecnologia, capacitação de assistência técnica e de comunicação que já vem sendo feito, buscando aperfeiçoá-lo. Além disso, terá foco na internacionalização, na agregação de valor por meio da certificação e na inovação. A expectativa é que além do recurso destinado pelas empresas participantes, possa ser feita captação em fundos internacionais. 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114