» mais
Comentar           Imprimir
Interior de MT
Quinta, 27 de setembro de 2018, 21h12

Coleta de DNA de condenados é tema de reunião


A coleta de DNA de condenados por crimes violentos ou hediondos em Mato Grosso, com o objetivo de alimentar banco de dados estatal com material genético, foi tema de reunião na Corregedoria-Geral da Justiça de Mato Grosso, a pedido da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), no início de setembro. O assunto foi debatido entre juízes, peritos e representantes da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Ministério Público, Defensoria Pública e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT).

Na abertura do encontro, a juíza auxiliar da CGJ-MT Ana Cristina Silva Mendes contou que foi procurada pela Politec no fim de agosto para tratar do tema. Segundo o diretor geral da instituição, Reginaldo Rossi do Carmo, a Lei 12.654/2012 – que introduziu o artigo 9º-A à Lei de Execução Penal - instituiu a criação de banco de dados com perfil genético a partir da extração obrigatória de DNA de criminosos condenados por crimes praticados dolosamente, com violência de natureza grave contra pessoa ou hediondos. Desde então, diversos Estados se organizaram para atender à determinação.

Após a contextualização do assunto, o perito oficial criminal Nelson Massayuki Yoshitake apresentou como funciona o Banco Estadual de Perfil Genético em Mato Grosso (BEPG), criado em 2013. De acordo com ele, o número de amostras genéticas é modesto e não há dados relativos aos presos condenados. Agora, o Estado tem a meta de catalogar 1,5 mil amostras no banco até dezembro de 2019, enquanto a meta nacional é de 70 mil perfis nesse mesmo período. Diante desse cenário, a Politec solicitou o atendimento imediato da lei e a coleta do material genético dos condenados em Mato Grosso.

A Perícia Oficial e Identificação Técnica também requereu da CGJ-MT providências para que sejam identificados os presos que preenchem os requisitos objetivos para a coleta do material, bem como seja normatizado o procedimento e o momento de fazê-la. Diante dos pedidos, a juíza Ana Cristina Silva Mendes disse que levará a situação ao conhecimento da desembargadora corregedora Maria Aparecida Ribeiro e retornará o contato aos participantes.

Integração - Nelson Yoshitake explicou ainda que o laboratório mato-grossense compõe a Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG), criada em 2009 por uma iniciativa conjunta do Ministério da Justiça e Secretarias de Segurança dos estados, com objetivo de compartilhar informações entre laboratórios de perícia sobre vestígios e suspeitos de praticar crimes. Essa Rede possibilita o confronto dos perfis genéticos coletados em locais de crime com perfis de criminosos condenados em qualquer estado da federação, aumentado a possibilidade de identificação e resolução dos crimes.

Opiniões - Diante do pleito da Politec, a juíza auxiliar da CGJ-MT passou a ouvir a opinião dos demais atores do sistema de justiça. O defensor público José Edir Martins Júnior se posicionou contra a coleta compulsória de DNA até que o Supremo Tribunal Federal (STF) decida se é constitucional. José Edir defende que a medida viola o princípio constitucional da não autoincriminação e o artigo 5º, inciso II, da Constituição Federal, segundo o qual “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”.

O advogado criminalista Leonardo Luis Nunes Bernazzolli, representante da OAB-MT, disse estar dividido. Argumentou acreditar mais em autoidentificação (fornecimento de informação) do que em autoincriminação, e revelou não se opor quando há o consentimento do réu e conhecimento da defesa. Contudo, ressaltou que o problema seria a obrigatoriedade. O promotor de justiça Rubens Alves de Paula defendeu que, embora seja um tema polêmico e sem definição a respeito da constitucionalidade, trata-se de uma medida de autoidentificação. Contudo, ressaltou que é necessário o cuidado na coleta desses materiais para que não haja violação dos direitos humanos dos encarcerados.

Crimes – Conforme recomendação da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG), são considerados como principais crimes para fins de cumprimento da lei:

• Homicídio
• Latrocínio
• Estupro
• Estupro de vulnerável
• Lesão corporal grave
• Lesão corporal gravíssima
• Roubo
• Extorsão qualificada pela morte
• Extorsão mediante sequestro e na forma qualificada
• Epidemia com resultado morte
• Falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais
• Favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de criança ou adolescente ou de vulnerável
• Genocídio
• Tortura
• Posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito
 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114