» mais
Comentar           Imprimir
Nacional
Domingo, 01 de julho de 2018, 17h39

Áreas de risco concentram 8,2 milhões de moradores em 872 municípios brasileiros


.

Em 872 municípios observados pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), 8,2 milhões de brasileiros vivem em áreas de risco. Mais da metade deles estão em 308 cidades do Sudeste. É a região do país com a maior quantidade de pessoas expostas à ocorrência de desastres naturais de origem hidrometeorológica. Os dados estão no levantamento lançado nesta quinta-feira (28) pelo Cemaden e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com base no Censo de 2010.

Segundo a coordenadora de Relações Institucionais do Cemaden, Regina Alvalá, a explicação está na densidade populacional e pela geografia da região. “O Sudeste concentra grande parte da população brasileira. Então, é esperado que tenhamos um volume grande de pessoas vivendo em áreas de risco. E isso acontece porque o relevo dessa região é muito acidentado, com muitos morros e montanhas. A pressão populacional força muitas famílias a terem que viver em áreas de encosta, o que as expõe a desastres como enchentes, enxurradas e deslizamentos de terra.”

Em segundo lugar, a região Nordeste concentra 2,952 milhões de moradores em áreas de risco em 294 municípios. Na região Sul, em 144 cidades, são 703 mil habitantes expostos a desastres naturais. Já nas regiões Norte e Centro-Oeste, em 107 e 19 municípios, 340 mil e 7 mil moradores, respectivamente, vivem em áreas de risco.

A distribuição da população por faixa etária mostrou que 17,8% dos moradores das áreas de risco são crianças de até cinco anos e idosos. “No escopo específico do sistema de monitoramento do Cemaden, essa base de dados contribuirá para a emissão de alertas mais detalhados, incluindo informações sobre a distribuição espacial da população mais vulnerável, como crianças e idosos, que demandam especial atenção na iminência de um desastre”, explicou Regina.

Desde dezembro de 2011, o Cemaden monitora e emite, quando necessário, alertas de risco de desastres para municípios com riscos de deslizamentos e/ou inundações, usando tecnologias de monitoramento e previsões hidrometeorológicas e geodinâmicas.

Futuro

Com esse mapeamento, o Cemaden agora se prepara para integrar os dados relativos a desastres naturais com as informações que serão coletadas no Censo de 2020, que será feito pelo IBGE. Para isso, trabalha no desenvolvimento de uma nova metodologia que possa conjugar informações e otimizar a pesquisa sobre as populações em áreas de risco.

“Nesse contexto, uma metodologia inovadora foi desenvolvida, permitindo a produção de dados inéditos a partir da associação de dados geográficos de escala intraurbana do Censo de 2010, principalmente provenientes de faces de quadra, associados às áreas de risco. A metodologia foi desenvolvida para ser empregada com os dados do Censo 2020, permitindo estimativas periódicas da população em áreas de riscos”, disse Regina.


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você concorda com uma candidatura do vice Niuan a deputado estadual?

Não - pois se Emanuel for cassado Cuiabá ficará sem prefeito.
Sim - pois é direito dele como político.
Tanto faz, Mauro Mendes também não teve vice.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114