» mais
Comentar           Imprimir
Nacional
Sábado, 07 de julho de 2018, 14h38

Marco legal do saneamento impulsionará investimentos privados no setor


Com o objetivo de dar maior celeridade às obras de saneamento no País e atrair investimentos para o setor, o novo marco regulatório do saneamento ambiental, criado por meio de uma Medida Provisória (MP), assinada nesta sexta-feira (6), pelo presidente da República, Michel Temer, modernizará a gestão dos recursos e ampliará o atendimento à população.

A iniciativa permitirá avanços na qualidade dos serviços por meio de parcerias público-privadas, como explica o ministro das Cidades, Alexandre Baldy. “A MP dará segurança jurídica aos contratos das companhias estaduais de saneamento e condições para que os municípios possam gerar competitividade e atrair investimentos”, avaliou.

A nova legislação visa ainda estabelecer diretrizes para garantir a sustentabilidade dos serviços de saneamento sem prejudicar o atendimento e com a garantia de aplicação de subsídios cruzados para atender à população de baixa renda. Atualmente, segundo o Ministério das Cidades, há cerca de 100 milhões de pessoas que vivem sem tratamento de esgoto.

De acordo com o ministro, a iniciativa promoverá um profundo impacto na realidade das famílias brasileiras em relação aos serviços essenciais como abastecimento de água tratada, coleta e tratamento de esgoto.“Queremos chegar a todos os lares brasileiros e finalmente acabar com essa desigualdade tão profunda entre as regiões do Brasil no que se refere a saneamento”, argumentou Baldy.

A regulamentação do marco ficará a cargo da Agência Nacional de Águas (ANA) de forma voluntária, de acordo com a adesão de estados e municípios.

Saúde
Apesar de os índices de cobertura por rede de abastecimento de água serem relativamente altos, a população brasileira ainda tem graves problemas de acesso aos serviços de saneamento, principalmente em se tratando de esgotamento sanitário.

O índice de esgoto tratado no Brasil ainda não chega a 50%, o que traz como consequência uma maior poluição dos recursos hídricos nacionais.

Dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) indicam que, em 2016, a proporção de esgoto tratado era de 44,9%. A ausência desses serviços incide diretamente nos gastos de Saúde, atingindo prioritariamente as regiões mais pobres do país. “Cada real que gastamos com saneamento básico são economias na saúde brasileira”, reforça o presidente da Fundação Nacional da Saúde (Funasa), Rodrigo Sérgio Dias.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114