» mais
Comentar           Imprimir
Nacional
Segunda, 09 de julho de 2018, 10h22

CNM avalia a MP do Programa Rota 2030 e decreto que reduz o IPI sobre veículos elétricos e híbridos


A Medida Provisória 843/2018, que instituiu o Programa Rota 2030 – Mobilidade e Logística, foi publicado na sexta-feira, 6 de julho, no Diário Oficial da União (DOU). O texto estabelece requisitos obrigatórios para a comercialização de veículos no Brasil, dispõe sobre o regime tributário de autopeças não produzidas. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) destaca que a medida terá um custo fiscal de até R$ 1,5 bilhão por ano e duração de 15 anos.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Serviços, o valor investido é semelhante ao do plano anterior, o Inovar Auto, que vigorou entre 2013 e 2017. O cumprimento dos requisitos, de que trata a Medida Provisória, será comprovado junto ao Ministério, que definirá os termos e os prazos de comprovação e emitirá ato de registro dos compromissos. O Brasil estava sem um regime automotivo desde o fim de 2017, quando terminou o Programa Inovar Auto – condenado pela Organização Mundial do Comércio por criar regras menos favoráveis para carros importados.

Já o Decreto 9.442/2018, também publicado nesta sexta, altera as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidente sobre veículos equipados com motores elétricos e híbridos (que têm um motor elétrico e outro a combustão). A alíquota passará de 25% para uma faixa que vai de 7% a 20%, e o percentual será menor aos veículos que tiverem maior eficiência energética. Para os motores a combustão (veículos regulares), não há redução de IPI.

A divulgação da notícia tem repercussão no mercado nacional e internacional, e pode contribuir nas discussões sobre a meta ambiental brasileira que está em discussão no Fórum Brasileiro de Mudança do Clima, dentre elas a que contempla a mudança da matriz energética do transporte individual urbano, já que o transporte rodoviário representa 90% das emissões de CO2 e o transporte individual emite 40 vezes mais que o transporte público, transportando o mesmo número de pessoas.

O programa pode melhorar a competitividade e trazer segurança jurídica para o setor, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Já que as montadoras já estavam pressionando o governo quanto a divulgação as regras do novo modelo para planejar próximos investimentos no país.

Alerta
Apesar de considerar que é necessário apoiar esses mercados e assim estimular a valorização do meio ambiente, a CNM ressalta que a desoneração do IPI sobre os veículos com motores elétricos e híbridos impactará no Fundo de Participação dos Municípios (FPM), principal receita de mais de 80% dos Municípios brasileiros, já que sua composição é Imposto de Renda (IR) e IPI. A entidade atua no Congresso Nacional para evitar que sejam aprovadas medidas de incentivo e/ou isenção por parte do governo federal sobre impostos compartilhados entre os Entes federados.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114