» mais
Comentar           Imprimir
Variedades
Segunda, 15 de maio de 2017, 09h15

Shows e atrações do Vem pra Arena valorizam integração familiar


Fotos por: Chico Valdiner
.

A biografia da principal atração do Vem pra Arena deste sábado (13.05), a cantora e compositora Tulipa Ruiz, sempre destaca a influência da família na carreira. Outra atração que tem na família seu ponto de referência é o cantor e compositor mato-grossense Caio Mattoso, que levou avó, tia, mãe e filha para vê-lo estrear na ação cultural promovida pelo Governo do Estado, via Secretaria de Cultura (SEC-MT). O público segue a mesma linha e participa junto com a família.

Nodel de Luz, 48 anos, sempre vai a Arena Pantanal ver jogos de futebol com os amigos. Pela primeira vez, foi ao Vem pra Arena, e desta vez acompanhado da família: esposa, filhos, netos e cachorro.

“É bom ter um espaço como este, onde você pode passear tranquilo com toda família, e o legal é que este não é um lugar só para quem mora em Cuiabá e Várzea Grande, é para toda a população mato-grossense”, disse Nodel. “Quero mais eventos como este, isso daqui é um exemplo de que a sociedade apoia e precisa deste tipo de ação”.

A adolescente Janaína Cury Lemos, de 13 anos, disse que não sai da Arena. “Sempre venho com meus pais quando tem show, e minha atração favorita são as comidas, é muita coisa gostosa”. A estudante, que garante nunca ter perdido nenhuma edição do Vem pra Arena, disse que ficou feliz em ver a nova estrutura da praça de alimentação. “Agora está bem melhor, tem mais mesas pra sentar com toda a galera”.

Já a professora Valdirene Paresi, da etnia indígena Paresi, também aprovou a praça de alimentação. “É tudo muito divertido, principalmente para as crianças, é muito diferente do que temos na aldeia”. A educadora lembrou ainda que atrações como a Folia de Reis de Cáceres e a capoeira chamam a atenção. “Adorei ver as apresentações destes grupos”.

Da mesma etnia, o cacique da tribo Wazare, Rony Paresi, disse que o Vem pra Arena é uma oportunidade única. “Este evento representa, apesar do contexto que estamos vivendo hoje, a valorização da cultura indígena e sua integração com toda a sociedade, é um lugar onde podemos desmistificar a ideia romântica que se tem do índio, vê-lo sem romantismo, ver sua essência. O Vem pra Arena nos ajuda a dar visibilidade a quem realmente somos”.

 

.

Um grupo formado por 25 membros se apresentou no Vem pra Arena. As vestimentas e os adornos chamaram a atenção do público. “A Zolani é uma dança que mostra a junção dos elementos naturais, do mundo espiritual com a natureza, é algo mais profundo, trata também da conexão com o ser humano, fala da necessidade de sermos dignos e respeitosos com o próximo, do elo de paz e prosperidade que devemos criar com o outro”. A segunda dança apresentada, chamada Zêro, simboliza o renascimento nas relações pessoais.

A tradicional Festa de Santos Reis, promovida há 35 anos em Cáceres, pela família do músico Joaquim Luiz da Silva, também teve espaço garantido no Vem pra Arena. “Esta é uma tradição que existe há mais de 50 anos, e meu pai, Vicente Luiz da Silva, foi quem começou tudo isso. O festejo tem origem portuguesa é remete às comemorações do culto católico do Natal. Faz parte do ciclo natalino, anualmente realizado entre 24 de dezembro e 06 de janeiro”.

Oportunidade

Um dos focos desta edição do evento foi o programa Mato Grosso Criativo, iniciativa intersetorial de Governo que articula ações de cinco Secretarias de Estado - Cultura, Desenvolvimento Econômico (Sedec); Educação, Esporte e Lazer (Seduc); Ciência, Tecnologia e Inovação (Secitec) e Trabalho e Assistência Social (Setas) - que objetiva criar políticas, diretrizes e ações para o desenvolvimento da economia criativa no território mato-grossense. Neste sábado, o músico Caio Mattoso foi “vítima” do trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado: após a apresentação na Arena, ele teve o show contratado pela Prefeitura de Marcelândia (688 km ao Norte de Cuiabá).

 

.

O artista, que tem os pés enraizados na cultura mato-grossense e que faz um som que é uma mistura de tudo que já se viu com aquilo que nunca foi feito, agradeceu a oportunidade de mostrar seu trabalho. “Estou lançando meu primeiro EP, chamado Opereta Trum, com o apoio das Secretarias de Cultura estadual e municipal, e eu agradeço por ter este espaço para mostrar meu trabalho, que encontra apoio na força sonora dos músicos que tocam comigo”.

O secretário de Estado de Cultura, Leandro Carvalho, destacou que o Governo articula uma rede de negócios que contemple os princípios de criatividade, diversidade cultural, sustentabilidade e inclusão social. “Buscamos identificar, desenvolver, fortalecer e fomentar os segmentos e territórios criativos, e promover a geração de novos empreendimentos, trabalho e renda”.

Tulipa Ruiz

“Um disco para se ouvir com o corpo, para se deixar levar”. Essa é uma característica que sempre acompanha Tulipa Ruiz quando a artista fala sobre seu trabalho. Seu terceiro e último disco, intitulado Dancê, dá uma ideia dos rumos que a cantora toma quando abre o show. Enérgica, Tulipa toma conta do palco quando canta. Uma das maiores vozes dessa geração da música brasileira, a artista mostra qualidades diversas.

“Gosto de viajar o Brasil mostrando o que faço”, disse a cantora, que complementa: “Gosto da música nacional e de homenageá-la com canções, sejam as mais dançantes ou baladinhas”. Os arranjos de suas músicas, essencialmente orgânicos, são repletos de sequências de metais.

O trabalho de Tulipa mistura o pop com outros estilos, como o soul, com facilidade, e é de fácil consumo. “Eu nunca tinha ouvido falar dela, estava passando por aqui, me interessei pela música e quando percebi já estava mexendo os quadris”, disse Ana Clara Bueno, de 27 anos, que curtia o som com tanta propriedade que até parecia ser fã de carteirinha da cantora.

Domingo na Arena

Para os que perderam as atividades realizadas no sábado, é só ir pro Vem Pra Arena neste domingo (14.05). A praça de alimentação, os brinquedos e diversas outras atrações, como a exposição de filmes, fazem parte da programação de hoje, no entorno da Arena Pantanal. A entrada é gratuita.  


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

A retomada das obras do VLT pode ser:

Palanque político para 2018
Mais uma balela sem fim
Confio na solução do problema
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114