» mais
Comentar           Imprimir
Variedades
Quarta, 29 de maio de 2019, 15h42

Hoje comemoramos o acerto de Einstein, mas ele também errou


Uma das chapas fotográficas do eclipse solar em 1919, obtidas em Sobral, no Ceará – Observatório Nacional

 

“O mundo moderno começou em 29 de maio de 1919, quando fotografias do eclipse solar tiradas […] em Sobral, no Brasil, confirmaram a verdade de uma nova teoria do universo.” Assim começa o livro “Tempos modernos”, do historiador Paul Johnson, celebrando o experimento que confirmou a previsão da teoria da relatividade geral de Einstein sobre o encurvamento da luz sob a ação da gravitação, exatamente cem anos atrás.


No Brasil, não faltaram aqueles que criticavam o esforço “inútil”, defendendo que os recursos deveriam ser utilizados em coisas “com retorno para a população”. Felizmente, isso não impediu os astrônomos britânicos de irem em frente, com o apoio do nosso Observatório Nacional, consolidando uma área da ciência com inúmeras aplicações nos nossos dias. 

O sucesso do experimento transformou Einstein em uma celebridade do dia para a noite: nenhum cientista na história foi tão conhecido do público. Seu colega Paul Langevin chamava-o de “o papa da ciência”. Mas Einstein também cometeu erros.

Um deles foi no próprio cálculo do encurvamento da luz: antes, ele havia previsto um valor que era menos da metade do correto. Deu sorte que foi impossível observar o eclipse de 1912, que poderia ter invalidado essa previsão! Em 1915, publicou a versão definitiva da teoria, com o valor correto (1,75 segundos de arco), confirmado em 1919.

O erro mais importante de Einstein foi sua oposição à mecânica quântica, cujas conclusões contraintuitivas nunca aceitou. Morreu antes que experimentos comprovassem que entre a intuição humana e as bizarrices quânticas a natureza sempre opta por estas últimas.

Logo depois de 1915, foi constatado que, pela equação de campo de Einstein, o universo deveria estar em expansão. Chocado com essa previsão, em 1917 ele optou por modificar a equação, adicionando uma “constante cosmológica” que representaria a energia do vácuo. Mas em 1931 o astrônomo norte-americano Edwin Hubble descobriu que o universo está realmente se expandindo! Einstein renegou então a constante cosmológica, considerando-a seu maior erro.

Ironicamente, em 1998 foi descoberto que a expansão do universo está se acelerando. Esse fato é atribuído à presença de “energia escura”, da qual não sabemos praticamente nada, mas que poderia corresponder à constante cosmológica. Então, o “maior erro” pode acabar sendo uma profecia involuntária!

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114