» mais
Comentar           Imprimir
Turismo
Quinta, 19 de julho de 2018, 01h34

Turismo de experiência: viagens que transformam


O turismo comunitário no Vale do Jequitinhonha, Norte de Minas Gerais, é um roteiro que aproxima o visitante da realidade e gera desenvolvimento com a troca de experiências e de serviços prestados aos turistas. A região considerada uma das mais pobres do Brasil contrasta com a riqueza cultural das “paneleiras” que transformam o barro em peça utilitárias e obras de arte. A região é um celeiro de trabalhos artesanais em couro, bordados, tecelagem, desenho, música, esculturas em madeira, cestaria e pintura, além do artesanato em cerâmica. Os turistas amassam o barro e aprendem com as artesãs a confeccionar, pintar e queimar as peças que serão adquiridas como lembranças da viagem. A gastronomia, história e vida rural são parceiras da imersão cultural do viajante.

Os resultados positivos com as bonecas de barro de Campo Buriti (MG) refletem a transformação proporcionada pelo turismo de experiência em diferentes destinos do Brasil. A diversidade cultural agrega valor em vários segmentos do turismo, gerando distribuição de renda e conhecimento tanto para quem visita como para quem recebe.

No Morro da Babilônia, entre Copacabana e o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, o turista vivencia as questões sociais de uma comunidade típica das favelas cariocas e participa de iniciativas criativas e sustentáveis, como o Favela Orgânica, de onde saem os alimentos servidos no almoço dos visitantes. É mais uma alternativa de geração de renda e mudança positiva proporcionada pelo turismo de base comunitária.

No Norte do país, os segredos e temperos da Amazônia fazem parte de um roteiro turístico comunitário no Pará que inclui a capital, Belém, e a Ilha de Cotijuba. A experiência multissensorial estimula os sentidos do visitante e o desenvolvimento comunitário. O passeio começa pelas cores e sabores das frutas, temperos regionais e essências do Mercado Ver-o-Peso, passando pelos atrativos históricos e as ruas arborizadas com mangueiras, além da música local e os encantos da Baia de Guajará com seus rios, igarapés, canais e 43 ilhas habitadas. Cotijuba é uma delas, onde os mistérios da floresta são acessíveis aos turistas. Além de curtir as praias, os visitantes participam de oficinas de artesanato e da elaboração de pratos típicos da cozinha paraense.

Outra experiência enriquecedora para o turista que visita a floresta amazônica é Alter do Chão, distrito de Santarém (PA). A partir da vila de praias de água doce com areias alvas e finas como o talco, o visitante navega pelos rios Tapajós e Arapiuns, afluentes do rio Amazonas e vão ao encontro de comunidades ribeirinhas. No cenário de igarapés, fauna e flora exuberantes, o turista faz uma imersão no modo de vida dos povos da floresta. O turismo comunitário é uma fonte alternativa de geração de renda e atividade transformadora, tanto para quem visita como para quem recebe o turista. Destaque para a cultura local com artesanato de látex e tucumã e a culinária indígena. Já o tempero humano do ribeirinho é o diferencial do roteiro que, ao final da viagem, faz o turista levar na mala e na alma a energia da Amazônia brasileira.

GRAJAÚ E BORORÉ - Na maior cidade brasileira, a realidade e o entorno do Grajaú e da Ilha do Bororé, nas margens da Represa Billings, estão mudando. A periferia da capital paulista oferece ao turista encontro com a natureza, agricultura orgânica, sustentabilidade, inovação social e arte. O roteiro alternativo propõe um mergulho nas iniciativas e experiências de uma outra São Paulo que espera um outro tipo de turista. Então, se animou com algum desses roteiros?

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114