» mais
Comentar           Imprimir
Geral
Sexta, 20 de outubro de 2017, 17h47

Metamat abre segundo curso de lapidação mineral


O Núcleo de Lapidação da Companhia Mato-Grossense de Mineração (Metamat) deu o pontapé inicial em mais um curso no histórico de atividades. Desta vez, está em andamento o segundo curso de artesanato mineral, cerca de uma década após a realização do primeiro.

A aula inaugural aconteceu na quinta-feira (19.10), no auditório da Metamat, com a apresentação de uma palestra sobre a importância do setor mineral com o professor da Faculdade de Geociências e do Programa de Pós-Graduação em Geociências da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Jaime Alfredo Leite. Na ocasião, aconteceu também a assinatura de três convênios com cooperativas de garimpeiros da região Norte de Mato Grosso.

“Como pré-requisito é interessante que desenvolvam alguma atividade ligada ao artesanato. É um curso 100% prático, onde primeiro terão noções sobre o uso dos maquinários para conhecer o que vão fazendo. Depois, vão cortar, formatar os fragmentos de rocha e resíduos sólidos, e transformá-lo em peças decorativas. Ou seja, o que não dá pra ser lapidado, desde que tenha um tamanho razoável para criar um desenho, é usado para o artesanato”, explicou o coordenador do Núcleo de Lapidação, geólogo Wanderlei Magalhães.

Acostumado a ministrar treinamento pelo país, o instrutor de artesanato mineral Edivaldo Veríssimo, veio de Anápolis (GO), especificamente para esse trabalho, e dá algumas dicas para os aprendizes. “Perseverança, assiduidade e muito trabalho. Com isso, a criatividade é consequência”, frisou.

Apaixonada por artesanato, Claudia Cristina Lopes é uma das alunas e já produziu duas corujas, uma foca e uma tartaruga. “É realmente um aprendizado, te ajuda a abrir novos horizontes com a perspectiva de comercializar para turistas e ainda serve de terapia. Você se desliga quando está no curso, não vê a hora passar”, revela a artesã que está há cerca de dois anos está em Cuiabá (veio de Goiânia). Ela já fez cursos de biscuit, trabalha com mandalas, além de ter produzido “muito”, como faz questão de frisar, bijuterias. Ela ainda desenvolve um trabalho voluntário com os idosos onde ensina a arte do artesanato.

Claudia projeta, após a finalização do curso, montar uma pequena oficina e trabalhar também com a lapidação de pedras e joias, não só com esculturas em pedra.

O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Carlos Avalone, pontuou que a Desenvolve MT, está em busca da capitalização de mais recursos junto ao BNDES, e os Fundos Constitucional de Financiamento do Centro Oeste (FCO) e de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Fundeic), além dos recursos próprios para fomentar cada vez mais o empreendedorismo.

“A Desenvolve MT dispõe de linhas de crédito para os interessados, aqueles que ao terminarem o curso desejarem ampliar sua atividade podem contar com esse apoio. Oferece juros reduzidos e carência para pagamento. Os Fundos também integram o processo de política pública como impulsionador da economia”, explicou.

O curso de artesanato mineral vai até 21 de dezembro deste ano. Serão 300 h, sendo 4h diária e ainda há vagas disponíveis. Com capacidade para 30 alunos, 15 em cada período (matutino e vespertino), onde foram abertas 10 vagas para atender a demanda dos municípios e como não houve o preenchimento delas outros poderão ocupa-las.

Geólogos, representantes da Desenvolve MT, do legislativo estadual e de cooperativas de garimpeiros do Norte de Mato Grosso e o prefeito de Alta Floresta, Aziel Bezerra de Araújo, prestigiaram o evento, além dos integrantes da turma de artesanato mineral.

Convênios

A programação da aula inaugural do curso de lapidação mineral contou com a assinatura dos termos de cooperação entre a Companhia Mato-Grossense de Mineração (Metamat) e as Cooperativas de Garimpeiros, sendo a de Pequenos Mineradores e Pedras Preciosas de Alta Floresta (Cooperalfa), dos Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto (Coogavep) e a Mista dos Garimpeiros de Peixoto de Azevedo (Coomipaz).

“O objetivo é promover a sinergia entre agentes públicos e privados com a finalidade de criar um ambiente propício à atração de investimentos e a geração de empregos. Ou seja, estreitar as parcerias”, resumiu o presidente da autarquia, Roberto da Silva Vargas.

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você defende que a ferrovia passe por Cuiabá?

Sim, pois incrementará a economia.
Não, pois não temos produtos em volume necessários.
Indiferente
Outro problema como o VLT
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114