» mais
Comentar           Imprimir
Geral
Quarta, 04 de julho de 2018, 11h57

Melhorias na CNGCE são sugeridas por notários e registradores


Notários, registradores, magistrados e servidores do Poder Judiciário estiveram reunidos na sede da Associação dos Notários e Registradores do Estado de Mato Grosso (Anoreg-MT) para o "Encontro de Integração Administrativa entre os Serviços Extrajudiciais e o Poder Judiciário". O objetivo do evento foi estreitar o relacionamento entre os profissionais e colher sugestões para melhoria da Consolidação das Normas Gerais da Corregedoria – Foro Extrajudicial (CNGCE).

 

Os primeiros palestrantes foram os diretores de Nota e de Protesto da Anoreg-MT, Marcelo Farias Machado e Velenice Dias de Almeida e Lima, respectivamente, os quais abordaram o tema "Aspectos Gerais na Atividade notarial nas especialidades: Tabelionato de Notas e Protesto de Títulos e outros documentos".

 

Marcelo Machado ressaltou a importância do estreitamento da relação com o órgão fiscalizador (Corregedoria-Geral da Justiça). "Precisamos mantê-lo e sempre que a Corregedoria for editar algum provimento referente ao extrajudicial, que nos comunique para que possamos ser parceiros na criação do documento, afinando os posicionamentos".

 

Ele explanou sobre a função notarial, reconhecimento de firma ou assinatura, autenticação e ata notarial, escritura pública, gratuidades, e diversos itens da CNGCE que podem ser melhorados. "Uma demanda da classe é para que seja analisada a viabilidade de alteração do artigo 469 da CNGCE no sentido de aumentar o valor da UPF (que hoje é de 500) ou até mesmo deixar sem limite. Outro artigo cuja redação pode ser alterada é o 406-A, de modo a permitir a possibilidade de aquisição imobiliária pelo menor quando houver doação de numerário do pai ou responsável ao menor para que este adquira um imóvel à vista, sem qualquer obrigação, portanto", sugeriu Marcelo Machado.

 

Por sua vez, Velenice Dias apontou alguns artigos da consolidação para serem alterados. "Sobre o cumprimento de sentença que reconheça a exigibilidade de obrigação de prestar alimentos, o § 1º do artigo 528 do CPC é claro ao mencionar que o juiz mandará protestar o pronunciamento judicial, diferente do artigo 595 da CNGCE, que menciona que o magistrado poderá enviá-las ao Cartório de Protesto. Sendo o CPC uma norma maior, sugerimos que os magistrados passem a mandar as sentenças a protesto", observou.

 

Outra sugestão feita pela diretora de Protesto é para que os juízes analisem cada caso quando o assunto for pagamento dos emolumentos do cartório. "Temos recebido muitas determinações para que cancelemos gratuitamente os protestos, sob pena de respondermos por crime de desobediência. Há casos em que o credor é beneficiário da assistência gratuita, mas o devedor não o é e não faz jus a esse benefício que é personalíssimo. Na maioria das vezes o devedor possui recursos e tem condições de pagar os emolumentos, mas isso não está acontecendo. É preciso analisar melhor cada caso para que esse procedimento não vire regra", salientou Velenice Dias.


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114