» mais
Comentar           Imprimir
Geral
Sábado, 27 de abril de 2019, 10h03

Audiências públicas debatem MP da reforma ministerial


.

A extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), determinada pela Medida Provisória 870/2019, foi alvo de críticas em audiência pública promovida na quarta-feira (24) pela comissão mista que a examina.

Na opinião da nutricionista e pesquisadora Elisabetta Recine, ex-presidente do Consea, o trabalho do conselho — que, retirado da estrutura ministerial pela MP, mantém sua atividade em todos os estados — é essencial no esforço em favor da justiça social e atende a uma agenda complexa, que inclui acesso à terra e sustentabilidade ambiental.

— A inexistência hoje do Consea compromete a existência do sistema. Vemos a fragilização dos programas que tiraram o Brasil do mapa da fome — afirmou.

A procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, apontou a importância dos conselhos na estrutura de governo. Ela apontou na medida provisória vícios de constitucionalidade e dispositivos “típicos de regimes de baixa densidade democrática”, e mostrou-se preocupada com os efeitos da reforma da Previdência (PEC 6/2019), que, em sua avaliação, aumentarão a insegurança alimentar.

O cientista social Ricardo Borges Martins, coordenador-executivo do Pacto pela Democracia, entende que a MP quebra a parceria entre governo e sociedade civil ao permitir interferência do Poder Executivo sobre o funcionamento das organizações não-governamentais em geral.

"Superpoderes"
Na quinta-feira (25), nova audiência da comissão mista recebeu Marcelo Pacheco dos Guaranys, secretário-executivo do Ministério da Economia. Segundo ele, a intenção de criar a pasta — que reúne cinco ministérios da estrutura antiga — não é ter “superpoderes”, mas executar as mudanças econômicas necessárias sob a mesma condução.

— Na Secretaria Especial da Fazenda [no Ministério da Economia], passamos a ter todo o ciclo orçamentário: elaboração, execução e avaliação dos gastos para verificar o retorno à sociedade. Não tínhamos isso — opinou.

Felipe Cascaes Sabino Bresciani, subchefe adjunto para assuntos jurídicos da Casa Civil, concordou com os argumentos de Guaranys. Ele disse também que a reforma gera uma insatisfação previsível por parte de “castas” no serviço público. E defendeu, entre outras medidas a retirada da competência de demarcação de terras indígenas da Funai, alvo de protestos de lideranças indígenas.

— O Incra tem expertise em demarcação de terra. Não se vislumbra retrocesso neste caso — afirmou.

O secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Antônio Spencer Uebel, calcula que a MP reduziu em 1.780 o número de cargos e funções comissionadas na estrutura do governo federal, o que significa uma economia de R$ 15 milhões em 2019. A partir de 2020, acrescentou, a economia ultrapassará R$ 17 milhões.

Rodrigo Augusto Rodrigues, subchefe adjunto de gestão pública da Secretaria Executiva da Casa Civil, salientou a preservação das competências do Poder Executivo por meio da fusão dos ministérios, eliminando redundâncias mas mantendo órgãos “concorrentes mas complementares”. 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114