» mais
Comentar           Imprimir
Justiça e Direito
Quinta, 07 de setembro de 2017, 22h29

Magistrados mato-grossenses somam forças à campanha de combate preventivo contra a corrupção


Um grito coletivo contra a corrupção em Mato Grosso foi bradado por representantes de mais de 40 entidades da sociedade civil organizada durante reunião, nesta terça-feira (5.09), na sede da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT). No encontro, teve início uma mobilização social de combate aos contínuos atos praticados contra o patrimônio público no Estado – como os oriundos da delação premiada do ex-governador Silval Barbosa.

Tal manifestação de indignação contou com o apoio da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam), representada pelo presidente José Arimatéa Neves Costa. Para o magistrado, manter o debate ativo sobre o combate à corrupção por meio de iniciativas como esta, organizada pela OAB-MT, é primordial. Contudo, é preciso que a população se atente à seriedade dos fatos ligados ao tema.

"Em momentos como este, de crise moral e ética, critica-se muito o sistema de controle [o TCE, o MPE e a AGE, entre outros], mas é preciso lembrar que, por exemplo, a operação conhecida como 'Lava Jato' começou por um acaso. Era uma investigação de lavagem de dinheiro em uma 'casinha' de câmbio, em um posto de combustível, em Londrina. Aí, descobre-se bilhões. Senão, trilhões. Não podemos viver de descobrir coisas de forma acidental", pondera.

O presidente da Amam complementa que é necessário questionar se os sistemas de controle são poucos ou ineficientes e precisam ser repensados. "Neste ponto, não podemos apenas culpar os controles em si. Talvez, seja preciso reformular a forma de atuação deles. Infelizmente, a sociedade parece que só aborda – ou tende a questionar – essas questões quando atinge o limite. O fundo do poço. Mas, o Brasil tem muitos poços e no fundo deles têm ainda um alçapão", ressalta.

Pensamento reiterado pelo presidente da OAB-MT, Leonardo Campos, que destaca que é necessário trabalhar a prevenção. "Precisamos de uma gestão preventiva e eficaz dos órgãos de controle e fiscalização, inclusive com estruturação desses órgãos. Ora, não é possível revelar que os cofres públicos foram lesados em quase R$ 1 bilhão e os órgãos de controle não conseguiram detectar isso em tempo oportuno. Nós estamos enxugando o gelo com ocorrido", enfatiza.

OLHAR NO FUTURO – Para o promotor de Justiça Roberto Turin, presidente da Associação Mato-grossense do Ministério Público (AMMP), o que se pode observar neste viés do combate à corrupção é uma sociedade reagindo em espasmos – estes que, por vezes, não têm continuidade.

"Vivemos num momento de torpor, após tantos acontecimentos. Além de cobrar a punição e responsabilização [penal, civil e administrativamente] dos atores envolvidos nos casos de corrupção, também precisamos cobrar que tipo de sociedade nós temos e que tipo de sociedade queremos ter e manter. Não podemos reagir por espasmos, que um dia vem a morrer. Nem permanecer numa situação de dormência acreditando que não há mais o que se fazer", indaga.

Para o próximo dia 26 de setembro, um ato cívico – e conjunto – foi programado. Além de membros da Amam, da OAB-MT e da AMMP, o encontro também contou com representantes de setores sociais: conselhos de classe e sindicatos de trabalhadores de diversas categorias; sindicatos patronais de comércio, indústria, serviços e rural; federações; organizações não-governamentais; associações de servidores e de membros das polícias Civil e Militar; e movimentos sociais.


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114