Cuiabá | MT 25/10/2021
Justiça e Direito
Sexta, 08 de outubro de 2021, 10h48

Brasil aparece entre as 10 nações que mais geram ataques hackers no mundo


55% dos crimes virtuais gerados no Brasil são direcionados aos brasileiros

São Paulo - De acordo com o relatório “2020 Cybersecurity Insights”, divulgado pela Nsfocus, referência mundial em segurança cibernética, em 2020 o país passou a ocupar a nona posição entre os países que mais realizaram ataques hackers no mundo, lista liderada pela China, com os Estados Unidos em segundo lugar. No ano anterior, o Brasil não figurava entre os 15 primeiros. Ainda segundo a empresa, 55% desses ataques são voltados para o próprio país.

André Mello

Já entre as nações que mais receberam ataques distribuídos de negação de serviço (DDos), ou seja, aqueles que sobrecarregam um servidor ou computador fazendo com que o sistema fique indisponível, o Brasil subiu três posições no ranking, ocupando a sexta colocação. No mesmo ano, esse tipo de ataque afetou, principalmente, órgãos governamentais e e-commerces, o que se mantém em 2021, com o acréscimo das instituições financeiras, que se tornaram grandes alvos.

Outro destaque do relatório fica por conta da inundação de e-mails de phishing com informações sobre a pandemia pelo coronavírus, o que contribuiu muito para a disseminação de ransomware. Um exemplo foi o Maze, novo vírus que chamou atenção por seu amplo impacto e aprimoramento. Usado principalmente para atacar empresas e indústrias, a principal diferença entre ele e os ransomware convencionais é que seu desenvolvedor tende a adicionar métodos inovadores em novas versões, além de criar mensagens de texto provocativas, o que contraria a ideia de que este tipo de ameaça fica à espreita, aguardando a chance de atacar.

Para André Mello, vice-presidente da Nsfocus na América Latina, “o mercado do cibercrime está crescendo em progressão geométrica nos últimos anos devido também ao aumento de equipamentos potencialmente vulneráveis conectados à internet (IoT), a sofisticação das técnicas de ataques e o barateamento de recursos computacionais para geração de ofensivas. Tudo isso sem contar a pandemia, que fez explodir o número de ameaças”.

No Brasil, as operações da Nsfocus cresceram 30% de 2019 a 2020, o que se deve principalmente à alta escalada de ataques sofridos no país, com destaque para o serviço de cloud híbrido, que alavancou 70% das vendas no ano passado. Por conta da alta contínua de ciberataques nos últimos meses, a expectativa da empresa é dobrar seu crescimento até o final de 2021.




Busca



Enquete

Quem é o mais culpado pela não conclusão do VLT em Cuiabá?

Mauro Mendes quando prefeito de Cuiabá 2013/2017?
Emanuel Pinheiro quando deputado estadual 2010/2014?
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114