» mais
Comentar           Imprimir
Educação
Sexta, 12 de maio de 2017, 13h06

Ensino de qualidade faz os alunos permanecerem na escola


.

O respeito no convívio social foi uma das mudanças sentidas pelos alunos da Escola Plena Clêinia Rosalina de Souza, no Bairro Jardim Itamaraty, em Cuiabá, que desde janeiro deste ano passou a ofertar o ensino em período integral. Para os alunos, esta nova forma de ensino trouxe ainda um cuidado maior com o patrimônio da escola.

Este sentimento foi destacado por nove alunos: Ítalo Lucas, 16 anos, 2º Ano; Matheus Luz, 16 anos, 2º Ano; Nadson Silva, 16 anos, 1º Ano; Matheus Pereira, 17 anos, 3º Ano; Victor Hugo, 14 anos, 1º Ano; Maria Eduarda Rodrigues; 15 anos, 1º Ano; Ana Vitória Rodrigues, 15 anos, 1º Ano e Cassiano Souza, 17 anos, 3º Ano.

Todos são representantes de turmas. Victor Hugo é um dos estudantes mais antigos do local, pois está lá há sete anos. A mudança para o ensino integral pegou muitos colegas de surpresa, mas aqueles que apostaram e gostaram da proposta, segundo ele, permaneceram. “Muita coisa está dando certo, outras estão sendo adequadas. A carga horária, por exemplo, melhorou muito. Ela dobrou. Temos mais tempo para estudar, principalmente português e matemática”, ressaltou.

Matheus Luz conta que se assustou no começo, achou que seria cansativo, até se acostumar com a ideia. “Quem ficou, quer um ensino de qualidade, e os pais também querem isso. Temos colegas que saíram no primeiro impacto e que voltaram depois, pois perceberam a mudança. De vez em quando, eu encontro um colega que saiu e digo para ele voltar, que está bom”.

 

.

Já Ana Vitória, que veio de Cáceres (234 km a Oeste de Cuiabá), contou que sempre quis estudar em uma escola integral e que nos últimos meses percebeu um amadurecimento, que vem acompanhado com as responsabilidades dentro da escola. “Eu não tinha preocupação nenhuma. Hoje, é totalmente diferente. Até a minha mãe diz que eu tenho outra cabeça”, afirmou.

Segundo ela, os estudantes hoje estão diferentes. Assim como Ana Vitória, são mais responsáveis, mais cuidadosos. “Eles respeitam os professores, os colegas. E passamos a ser um coletivo, um grupo. Eu não conversava com a maioria dessas pessoas, agora sempre estamos em contato, juntos somos uma força”, complementou.

Todos concordam com a colega. Victor acrescentou ainda que o período integral permitiu a ampla convivência com os colegas, possibilitando conhecer novas pessoas, histórias e pontos de vista. “A escola é a nossa segunda casa; por isso, nosso relacionamento com ela mudou. O cuidado é outro. Antes, a gente não tinha certos cuidados. Agora, a gente pensa, tem cuidados com os talheres, por exemplo, sabemos que vamos utilizá-los três vezes ao dia”.

Ele também destacou o respeito com a diversidade dentro da comunidade escolar. “A escola vinha registrando sérios problemas sociais, como casos de racismo e homofobia. Essas situações foram amenizadas, muitos conceitos estão sendo mudados devido ao amplo período de convivência”, finalizou.

Preparação para a vida

O primeiro bimestre de 2017 será encerrado nesta semana. Os alunos do 3º ano, Cassiano e Matheus, contaram que já começam a sentir a diferença no ensino, que neste ano está voltado para o projeto de vida e para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

“Nós começamos a entender que estamos sendo preparados para isso. Estamos mais seguros e confiantes. As coisas estão ainda no começo, muita coisa melhorou e vai melhorar”, disse.

Matheus lembrou que o foco da escola é no aluno e no seu plano de vida. “O estudante precisa tomar uma atitude, ir em frente. Se você vir um problema, procure uma solução, isso também é ser protagonista”, avaliou.

 

.

Uma das ações do grupo dentro da escola foi a organização da fila para as refeições. Eles controlam o fluxo dos estudantes, liberando a entrada de 20 em 20 no refeitório, deixando que eles se sirvam, sem causar tumultos ou filas longas.

“Isso foi um problema que identificamos logo no começo do ano letivo e que achamos uma maneira de resolver. Colocamos em prática e nós mesmos organizamos tudo”, lembrou Ana Vitória.

Tempo como diferencial

Para Robson Pereira, professor de Sociologia e coordenador pedagógico da escola, a gestão viu no modelo da Escola Plena uma oportunidade de construir um novo modelo de educação em Mato Grosso.

“Temos muitas expectativas, no bom sentido, especialmente para que esse modelo traga novas mudanças. Ele é viável”, explicou.

O coordenador, que atua há 10 anos na área da educação, ressaltou que a gestão precisou passar por ajustes para aprender a lidar com algumas particularidades. “Alguns enfrentamentos são inevitáveis, mas a equipe está alinhada, entendendo a importância do trabalho”.

O tempo tem sido um diferencial da escola, segundo o educador. “É um dos fatores que favorecem e diferenciam a nossa gestão. Agora, temos uma atuação diferente diante dos problemas. Tornamos os desafios propostas e os problemas mais palpáveis. Concretizamos ideias e alcançamos resultados”.

A Escola Plena Clêinia Rosalina de Souza conta com 210 alunos matriculados, oito salas de aula, um laboratório de informática, uma sala de multimeios, biblioteca, quadra coberta e um amplo pátio, com mesa de tênis de mesa e uma de pebolim.

Matrículas para novos alunos podem ser feitas na secretaria da escola, que está localizada na Rua A, quadra 15 – nº 247 – Bairro Jardim Itamaraty. Mais informações pelo telefone (65) 3653-1432.

 

 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você defende que a ferrovia passe por Cuiabá?

Sim, pois incrementará a economia.
Não, pois não temos produtos em volume necessários.
Indiferente
Outro problema como o VLT
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114