Artigos

Infeliz o povo que depende de uma eleição
Amadeu Roberto Garrido de Paula
Nossa democracia tem solução - e não é intervenção
Fellipe Corrêa
Restaurar o futuro
Coriolano Xavier
Saúde e fake news
Luiz Evaristo Ricci Volpato
As Redes Sociais podem acabar?
João Alves Daltro
» mais
Comentar           Imprimir
Política Nacional
Sexta, 08 de junho de 2018, 13h31

Comissão aprova limitação para inelegibilidade de servidor público demitido


A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara aprovou na quarta-feira (6) o Projeto de Lei Complementar (PLP) 81/15, do deputado Cabo Sabino (Avante-CE), que somente torna inelegível o servidor público que for demitido por improbidade administrativa.

A improbidade administrativa alcança uma série de condutas, previstas na Lei 8.429/92, como receber vantagem indevida em razão do cargo ou para fraudar regra legal, se apropriar de bens e recursos públicos, facilitar o enriquecimento ilícito de alguém e realizar despesas não autorizadas.

O projeto de Sabino altera a Lei de Inelegibilidade (Lei Complementar 64/90) e recebeu parecer favorável do relator na comissão, deputado Capitão Augusto (PR-SP).

A lei torna inelegível o servidor público demitido em processo administrativo ou judicial, independente das razões. O autor do projeto alega que essa redação é ampla e acaba deixando de fora da disputa eleitoral servidores dispensados por crimes de menor potencial ofensivo, como abandono de cargo ou falta de assiduidade ao trabalho.

O deputado Capitão Augusto concordou com as alegações. Segundo ele, a proposta aperfeiçoa a legislação eleitoral e segue a tendência das decisões dos tribunais. Ele lembrou ainda que condenados por crime culposo não se tornam inelegíveis. Da mesma forma, servidor demitido por crime de menor potencial também não deveria ficar inabilitado para as eleições.

Para o deputado, “as restrições de ordem legal ao direito do cidadão de candidatar-se a cargo político devem ter o escopo de resguardar, dentre outros valores, a probidade administrativa e a moralidade para o exercício do mandato”.

Tramitação
O projeto será analisado agora pelo Plenário da Câmara.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:
PLP-81/2015

 

AgC


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você concorda com uma candidatura do vice Niuan a deputado estadual?

Não - pois se Emanuel for cassado Cuiabá ficará sem prefeito.
Sim - pois é direito dele como político.
Tanto faz, Mauro Mendes também não teve vice.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114