» mais
Comentar           Imprimir
Auto&motores
Terça, 07 de maio de 2019, 07h21

Aquisição de frota própria é alternativa de grandes empresas à tabela do frete


.

 

 

 

É crescente o número de empresas que passaram a investir em frotas próprias de caminhões para amortizar a alta nos custos gerada pela tabela do frete.

A alternativa tem sido estudada e levada a cabo especialmente no setor agroindustrial.


É o caso, por exemplo, do grupo Predilecta, de alimentos processados, que investiu R$ 15 milhões para criar, após a paralisação dos caminhoneiros, a Trans Predi, uma transportadora que atende apenas a demanda da companhia.

“Já vínhamos em preparação para dependermos menos de transportadoras e ter mais mobilidade nas entregas. Com o tabelamento, aumentamos e aceleramos o plano. Nossos caminhões atendem quatro plantas”, diz o sócio-diretor, Antônio Tadiotti.

A empresa, que tem 1.300 funcionários, não revela o tamanho de sua frota atual, mas diz que os veículos próprios atendem hoje cerca de 60% de todas as entregas do grupo. A intenção da companhia é ampliar a proporção a 75%.

“Nossa matéria-prima está muito próxima de cada fábrica. Os caminhões saem com produtos finais para entrega em grandes redes e voltam com embalagens. Com essa estratégia, reduzimos a ociosidade dos carros e cortamos custos”, afirma Tadiotti.

Maior empresa do setor de carnes no mundo, a JBS comprou, ainda em agosto de 2018, 360 caminhões para sua frota.

A cooperativa catarinense Aurora, que produz frango e suínos, sentiu o aumento de custos logo no início da vigência da tabela em suas cargas de milho, insumo usado na alimentação dos animais.

“O frete da carga seca encareceu assim que começou a vigorar o tabelamento, mas os produtores acabaram absorvendo esse impacto depois. Nas demais cargas, como as de frigorífico, já pagávamos preços acima do mínimo”, diz o gerente de operações da marca, Celso Capellaro.

“A própria existência dessa regulação é ruim, mas o cálculo dos preços piora a situação. Na primeira tabela, o frete de baixa distância era muito mais caro e a carga seca tinha preços mais altos que as refrigeradas, o que não faz sentido.”

A Aurora ainda não comprou veículos, mas algumas de suas filiais chegaram a fazê-lo, segundo o presidente da cooperativa, Mario Lanznaster.

“A medida foi um tiro no pé dos caminhoneiros porque fez as empresas estudarem alternativas, o que pode quebrá-los. Quando ouvimos falar em nova paralisação, nossa vontade é comprar 200 caminhões”, afirma.

A Gazin, do setor varejista, que já tinha frota própria antes da paralisação dos caminhoneiros, tem intensificado a estratégia.

Hoje, 80% de suas entregas são feitas com cerca de 600 veículos da rede.

“Optamos por manter uma frota porque temos operações fortes em regiões com custo alto, como o Norte e o Centro-Oeste”, afirma Osmar Della Valentina, presidente do grupo.

Para amortizar os custos, a empresa busca aumentar o aproveitamento de seus veículos. “Se vou entregar colchões no Ceará, por exemplo, faço o caminhão trazer de volta eletrodomésticos da Esmaltec [que tem fábrica no estado]” 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114