» mais
Comentar           Imprimir
Cidade
Terça, 03 de julho de 2018, 14h14

Prefeitura suspende licitação da Saúde após alerta de vereador


.

A Prefeitura de Cuiabá determinou a suspensão da licitação para futura e eventual contratação de empresa em gestão e operação de logística para materiais da área da saúde, após o alerta do vereador Marcelo Bussiki (PSB) de que o edital restringia a participação das empresas, além de haver a suspeita de direcionamento.

Unihealth contesta vereador e diz que tecnologia evitará prejuízos, veja abaixo*.

A licitação, que totaliza R$ 14 milhões, deveria ocorrer na sexta-feira (29) e previa a prestação de serviços, por demanda, de armazenagem, gestão de estoques, separação, embalagem, expedição, distribuição e dispensação de produtos para saúde e demais bens materiais.

Um dia antes, o vereador Bussiki alertou, em sessão plenária, que o edital da licitação impunha diversas cláusulas restritivas à participação das empresas, impedindo a ampla concorrência e a competitividade no certame. Além disso, a documentação exigida indicava um suposto direcionamento à empresa Unihealth Logística Hospitalar.

Isto porque a licitação previa que as empresas apresentassem certificado de regularidade do Ibama, o mínimo de 2 atestados de capacidade técnica, bem como a comprovação da utilização da robotização na dispensação dos produtos, sendo que a Unihealth é a única empresa no Brasil que possui as referidas tecnologias.

“No edital de licitação fica claro que há exigências ali que são desnecessárias e que impedem a ampla concorrência do processo - e isso não pode ocorrer. Inclusive o próprio Tribunal de Contas do Estado preconiza que se abstenham de incluir em editais de licitações exigências não previstas em lei e não essenciais”, disse o vereador.

Bussiki vai protocolar na próxima semana uma representação no TCE indicando todas as “falhas” no edital, além de possível gasto em duplicidade, uma vez que o Executivo já obteve a aprovação para integrar o Consórcio Intermunicipal de Saúde que tem, entre outras funções, a aquisição e distribuição de medicamentos.

“Fica claro que o Executivo, com essa licitação, pode vir a ter gastos em duplicidade, pois ele vai ter custo para participar do consórcio, que vai comprar medicamentos em grande escala para atender aos municípios que o integram, além da própria distribuição. Então, queremos impedir qualquer gasto desnecessário”, disse o vereador.

Empresas impugnam – Além do alerta do vereador, duas empresas que se sentiram prejudicadas com relação ao edital pediram impugnação da licitação. As empresas R.V Ímola Transporte e Logística e o advogado Leonardo Araujo Negrelle criticaram o suposto direcionamento da licitação à empresa Unihealth Logística Hospitalar.

Nas alegações, as empresas reclamaram principalmente da exigência de robotização do sistema, como previa a licitação. “Uma empresa que não possui robôs em sua operação logística, mas sim pessoas, profissionais, esta seria menos apta ou capaz de executar a operação em Cuiabá?”, questionou o advogado Leonardo Araujo.

Além disso, as empresas apontaram o prejuízo ao município com essa exigência, uma vez que impediria a contratação de profissionais de Cuiabá para desempenhar tais funções. “Estariam sendo prejudicados cidadãos de Cuiabá com aumento no desemprego sem as referidas vagas que seriam substituídas por robô”, afirmou.

Por estas razões, as empresas requereram a suspensão da licitação até a análise das impugnações impostas ao edital, em razão das diversas falhas identificadas.

*Unihealth contesta vereador e diz que tecnologia evitará prejuízos

Em nota enviada ao PlantaoNews a UNIHEALTH LOGÍSTICA HOSPITALAR informa que se viu em meio a uma série de acusações envolvendo seu nome e antes mesmo de qualquer posicionamento a respeito das impugnações apresentadas, a empresa faz questão de se manifestar acerca das conclusões açodadas atingidas pelo vereador Dr. Leonardo Araujo Negrelly, e que requerem reparo, conforme abaixo:

A UniHealth Logística Hospitalar NÃO DETÉM COM EXCLUSIVIDADE AS TECNOLOGIAS utilizadas para automação de projetos logísticos. Isto porque, tais tecnologias são inerentes a equipamentos disponibilizados no mercado, sendo possível a qualquer empresa concorrente adquirir máquinas para automatizar suas operações. A empresa Unihealth opta por utilizar, em algumas ocasiões, máquinas em suas operações espalhadas pelo Brasil e pelo mundo para aumentar sua qualidade, segurança e eficiência. Por outro lado, oportuno anotar, de forma a corrigir o equívoco cometido, que não é a única operadora logística a possuir tecnologias dentro de suas atuações, o que faz cair por terra as alegações deduzidas de direcionamento do certame licitatório. Em outras palavras, viu-se a empresa, em razão da matéria da assessoria do vereador e anteriormente veiculada nesse meio de comunicação, refém de levantamentos e conclusões precipitadas e equivocadas.

Informa a empresa que dentro desse contexto, em todos os certames licitatórios dos quais participou, e não foram poucos, não se
verifica nenhum precedente de direcionamento ou de restrição de competitividade a seu favor. Desta forma, em que pese os lamentáveis equívocos perpetuados, no pedido de impugnação apresentado junto ao Município, em nenhum momento a Unihealth se opõe a RETIRADA DE QUALQUER ITEM DO EDITAL considerado impeditivo de competitividade e que possa representar, em alguma medida, agressão ao disposto na lei 8.666/93 que disciplina as licitações e contratações públicas.

Também cabe à empresa, que EMPREGA HOJE QUASE 600 COLABORADORES, discordar veementemente da afirmação simplista do vereador atrelando o USO DE TECNOLOGIA E AUTOMAÇÃO ao desemprego. A tecnologia e a automação, assim como na medicina, na educação e em tantas outras áreas da vida, não vem para excluir o humano e sim para beneficiá-lo de maneira muito mais abrangente, garantindo, nesse caso, o total abastecimento dos medicamentos, evitando desperdícios e ainda eliminando erros de medicação que podem trazer prejuízos ainda maiores para a vida dos pacientes, além da responsabilidade para os agentes de saúde. Com base na vivência dos colaboradores que trabalham nos projetos da empresa, a UniHealth garante que atuar com essas inovações, além de garantir empregabilidade, contribui para a evolução profissional e pessoal de todos.

A nota é assinada pela

Diretoria da UniHealth Logística Hospitalar


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

A onda 'não eleja parentes' pode afetar Emanuelzinho Pinheiro?

Afeta pois o pai prefeito Emanuel foi flagrado no caso do paletó furado.
Não afeta e segue separado dos problemas do pai
Tanto faz, o povo não não leva a sério o voto.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114