» mais
Né !

Júlio Campos vem ai

Terça, 04 de abril de 2017

Júlio José de Campos, mais conhecido como Júlio Campos (Várzea Grande, 11 de dezembro de 1946) é um político, engenheiro e empresário brasileiro. É proprietário da TV Brasil Oeste. Assim descreve a maior inciclopedia livre, o Wikipédia, sobre esse personagem que atravessa a ponte do Rio Cuiabá e rouba a cena, apesar de não ser cuiabano ou ter ocupado cargo eletivo na capital mato-grossense. Talvez melhor: foi governador do Estado.

Júlio passou no último dia 13 de março por uma cirurgia de transplante de fígado na cidade de Fortaleza (CE), em um hospital particular. O político sofre há 25 anos de cirrose hepática. Ficou por dois anos na fila de pedidos de transplante em São Paulo, mas em fevereiro deste ano conseguiu o procedimento através do Ceará.
 

Júlio Campos após transplante em foto no WhatsApp

 

 

BBB Riva

Segunda, 03 de abril de 2017

Apesar das contestações por parte de vários deputados quanto as denúncias feitas pelo ex-deputado estadual José Riva, sobre recebimento de pagamentos para complacência com os governos, um informante lembrou que o ex-presidente da Assembleia contava com um generoso sistema de 'grampo' de conversas.

O BBB de Riva estaria na própria estrutura da sala da presidência do órgão e que, quando necessário, ele poderá apertar o 'enter'.

Até o momento os deputados Guilherme Maluf e Sebastião Rezende foram os mais contundentes em suas defesas, acusando Riva.

Ararath é conteúdo no Wikipédia

Segunda, 03 de abril de 2017

Mato Grosso que conquista destaques negativos em nível mundial ganhou mais uma referência no Wikipédia desta vez sobre a Operação Ararath, desencadeada pela Polícia Federal no ano de 2013 no Estado. 

De tamanho peso e com personalidades envolvidas o Wikipédia informa que a "Operação Ararath é uma operação realizada pelaPolícia Federal (PF), responsável em apurar a realização de pagamentos por parte do Governo de Mato Grosso, em desacordo com as determinações legais, para empreiteiras, além do desvio desses recursos em favor de agentes públicos e empresários através a utilização de instituição financeira clandestina. A análise de documentos apontaram a utilização de complexas medidas de "engenharia financeira" praticadas pelos investigados com o objetivo de ocultar a real destinação dada a valores de precatórios pagos pelo Governo de Mato Grosso em nítida violação à ordem cronológica e determinações legais.[1]. 


O conteúdo virtual destaca que entre os políticos citados
nas fases anteriores da operação e nos vários inquéritos da Operação Ararath estão: o ex-deputado José Riva, o deputado estadual Mauro Savi (PR), o prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB), o ex-deputado e atual conselheiro do TCE, Sérgio Ricardo (PR), o ex-governador Silval Barbosa (PMDB), o ex-secretário de Fazenda, Eder Moraes (PHS), os ex-conselheiros Alencar Soares e Humberto Bosaipo, entre outros. [2]

Por meio da parceria entre o Ministério Público Federal, a Justiça Federal, o Governo do Estado e a Controladoria Geral da União, foi autorizado a utilização dos R$ 483 mil dos valores resgatados pela Ararath, para a impressão de kits pedagógicos para atender 100 mil alunos e professores da rede estadual de ensino [3] - destaca o Wikipédia

 

Botelho critica Energisa

Segunda, 03 de abril de 2017

Ao participar de evento sobre a campanha Cuiabá 300 anos presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Eduardo Botelho, engrossou o coro em uma crítica a empresa Energisa - que assumiu a Rede Cemat.

Botelho classificou condutas da Energisa como de desrespeito à população cuiabana e mato-grossense, inclusive em aspectos históricos, lembrando que a Cemat (empresa originariamente mato-grossense) teve um papel fundamental para a população.

Em tempo: o político atua no setor empresarial com uma empresa Construtora Nhambiquaras Ltda. 

Escreve ai!

Domingo, 02 de abril de 2017

Um líder político do interior do Estado, da região do Araguaia (a parte rica) pediu a um repórter do PlantãoNews que anotasse o nome de uma mulher, política, que deverá surpreender a partir de janeiro do ano que vem.

Segundo ele antes mesmo de janeiro a política poderá se destacar como eventual candidata ao governo do Estado.

Mas seu nome ganhará força no ano de 2018. "Aiiiii imagina, ninguém vai segurar" - disse ele gargalhando. 

1 - 2 - 3 - 4 - 5

Busca



Enquete

O que esperar do governo Pedro Taques em 2017

Vai sobreviver
Não vai sobreviver
Retomará a condução política
Segue o mandato indiferente
Não é problema meu
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114