» mais
Comentar           Imprimir
Justiça e Direito
Domingo, 26 de maio de 2019, 18h51

MPE recorre a decisão que beneficiaria João Celestino na Operação Seven


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT), por meio da Procuradoria Criminal Especializada, ingressou com agravo contra a decisão da Vice-presidência do Tribunal de Justiça que negou seguimento ao recurso especial interposto para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) em relação à Operação Seven, que apurou o desvio de R$ 7 milhões dos cofres públicos de Mato Grosso.

.

A Terceira Câmara Criminal do TJ, em julgamento que teve como relator o desembargador Luiz Ferreira da Silva, concedeu habeas corpus ao acusado, o advogado João Celestino da Corrêa da Costa Neto, ex-presidente da OAB/MT, estendendo-a ao seu irmão, Filinto Corrêa da Costa Júnior, impedindo o prosseguimento da ação penal proposta contra eles, sob a alegação de falta de indícios mínimos de autoria do crime de lavagem de dinheiro.

Para o Tribunal, a denúncia não demonstrou o “vínculo psicológico ou normativo entre os recorridos e os autores do crime de peculato antecedente” e que a acusação teria se baseado em “meras presunções”. Mas, de acordo com a Procuradoria Criminal Especializada, a denúncia narra em detalhes a conduta criminosa dos acusados e o vínculo entre o crime de peculato, praticado por Filinto Müller, e o crime de lavagem de dinheiro imputado aos seus filhos.

O procurador de Justiça Mauro Viveiros esclarece que “a propositura da ação penal exige tão somente a presença de indícios mínimos de autoria. A prova do crime deverá ser feita na instrução probatória, prevalecendo, na fase de oferecimento da denúncia, o princípio de que a dúvida deve vir em benefício da sociedade”.

Afirma que o Tribunal, embora dizendo que faltava justa causa (indícios) para a denúncia, não analisou os elementos probatórios dos autos como deveria fazer, limitando-se a criticar a denúncia, raciocínio que contraria o sentido dos dispositivos legais invocados como fundamento da decisão.

O QUE DIZ O RECURSO - “Cuida-se de crimes de lavagem de alta soma de dinheiro proveniente de crime de peculato contra o erário estadual, praticado por uma organização criminosa que tinha como líder o próprio Governador do Estado, Silval Barbosa, e como integrantes vários secretários de Estado, assessores, empresários e parentes. Filinto Corrêa da Costa, pai dos recorridos, associado à organização, desviou R$ 7.000.000,00 (sete milhões de reais), mediante a engenhosa fraude descrita na denúncia, recebendo o dinheiro em duas parcelas de R$ 3.500.000,00 (três milhões e quinhentos mil reais) em 26 de novembro de 2014 e 12 de dezembro de 2014.

Para ocultar ou dissimular a origem criminosa do produto do crime, Filinto Corrêa da Costa, em coautoria com os seus filhos, João Celestino Corrêa da Costa Neto e Filinto Corrêa da Costa Junior, cuidou de ocultá-lo no sistema bancário mediante diversos depósitos em contas-correntes.

Tal como descrito na denúncia, o acusado João Celestino, ciente da origem criminosa do dinheiro, ocultou, em 27 de novembro de 2014, R$ 250.000,00 em parcelas de R$ 50.000,00, duas depositadas em sua conta mantida no Banco Itaú e três em sua conta no Banco Bradesco. Nos dias 05 e 10 de dezembro de 2014, ocultou mais R$ 98.000,00 em duas parcelas de R$ 49.000,00 em sua conta no Banco Itaú.

O acusado, com o produto do crime, chegou a adquirir um veículo de luxo ao preço de R$ 250.000,00 em 01 de dezembro de 2014. Parte desse dinheiro - R$ 190.000,00 - foi transferido pelo pai diretamente à empresa vendedora. Mas não cessou aí sua conduta criminosa. Em 12 de fevereiro, 10 de março, 15 de maio e 08 de junho de 2015, o mesmo acusado João Celestino Corrêa da Costa Neto ocultou em sua conta-corrente do Banco Itaú outros R$ 255.558,36, em sete parcelas, quatro de R$ 75.558,36, uma de R$ 100.000,00, uma de R$ 30.000,00 e outra de R$ 50.000,00.

Filinto Corrêa da Costa Júnior, de sua vez, em 27 de novembro de 2014, dia seguinte à consumação do crime de peculato praticado por seu pai no âmbito da organização criminosa, ocultou o valor de R$ 500.000,00. As condutas imputadas defluem da adesão à conduta do pai na resolução de homiziar o produto do crime no sistema bancário a fim de integrá-lo na economia, como é próprio do crime de lavagem de dinheiro. E o modus operandi adotado seguiu o clássico fracionamento de depósitos em contas-correntes, comum ao propósito de simular negócios regulares, dificultar a vinculação do dinheiro à origem e assegurar a posse do dinheiro pelos integrantes da família”.

DENÚNCIA: A Operação Seven apurou esquema que consistiu no desvio de R$ 7 milhões do Estado, concretizado por meio da compra de uma área rural de 727 hectares na região do Lago de Manso, em Chapada dos Guimarães. Segundo o MPMT, a área já pertencia ao Estado e foi adquirida novamente do médico Filinto Corrêa da Costa, com preço superfaturado de R$ 4 milhões. O valor desviado teria sido “lavado” pelos integrantes do esquema para ocultar os crimes. 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114